FIEMA prestigia abertura do Festival da Cachaça e dá destaque à indústria de bebidas no Maranhão

O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA), Edilson Baldez das Neves, participou da abertura oficial do Festival Maranhense da Cachaça, na noite da quinta-feira, 31, acompanhado dos vice-presidentes Celso Gonçalo, Fábio Nahuz e Claudio Azevedo; e diretores da Federação, Ana Rute Mendonça, Leonor de Carvalho e João Batista Rodrigues, no Multicenter Negócios e Eventos. A FIEMA e o SENAI são apoiadores da iniciativa, considerada como a maior da cadeia produtiva da cachaça de alambique e da tiquira do Norte e Nordeste, sendo uma realização do Sindicato das Indústrias de Bebidas, Refrigerantes, Água Mineral e Aguardente do Estado do Maranhão (Sindibebidas), presidido por Jorge Luís Fortes, e do Instituto Ecobio, presidido por Anderson Galdino. 

Baldez destacou que o festival promove a indústria de bebidas, estabelece conexões, possibilita parcerias e gera negócios vantajosos para o segmento, além de expandir o setor de bebidas artesanais e o agronegócio da cachaça. “O Festival da Cachaça é um evento da maior importância para o nosso estado. Ele que nasceu lá no Sistema FIEMA, em conjunto com o Sebrae e o governo do estado, hoje está consolidado. Já temos marcas maranhenses sendo vendidas no mercado. É no Festival o local em que são apresentados todos esses produtos que podem ser degustados, testados e adquiridos pelo público”, disse o presidente da FIEMA. 

A cachaça de alambique e a tiquira tem tradição no estado. Estão nas raízes culturais do Maranhão, além de ser fonte de emprego e geração de renda local. O Festival da Cachaça reúne até este sábado, 2, no Multicenter Negócios e Eventos, várias marcas da bebida produzida no Maranhão, assim como o que o brasileiro costuma combinar com a cachaça, com estandes de empresas do setor de alimentação que atuam com linguiças artesanais, tipos de farofa e até esporte, com clubes maranhenses comercializando artigos dos times. 

O presidente do Sindibebidas, Jorge Fortes, explicou que atualmente existem mais de 400 alambiques espalhados pelos Maranhão e que o sindicato trabalha para que todos se regularizem e tragam mais empregos e mais renda para o Estado. “Essa versão do Festival é uma consolidação do trabalho de fortalecimento da cadeia produtiva da cachaça do Estado do Maranhão. Estamos hoje aqui, fortalecendo cada vez mais esse segmento de grande importância para a economia e para o agronegócio da cachaça artesanal maranhense”. 

O governo do Estado foi representado por Karina Fonseca Lima, subsecretária de Estado de Indústria e Comércio, que avaliou a cachaça como uma das cadeias produtivas mais promissoras do estado. “O destilado, produzido ainda de forma rústica – em alambiques espalhados pelo Maranhão – tem conquistado o mundo com seu sabor inigualável e qualidade ímpar. Hoje, na segunda edição do Festival Maranhense da Cachaça, Cultura e Sabores, conectamos produtores, investidores e público para apreciar e potencializar este que, além de produto, classifico como arte”. 

LICORES DO ABACAXI TURIAÇU – Edilson Baldez aproveitou a ocasião para visitar os estandes e conferir as novidades apresentadas. Também levou os empresários e presidentes de entidades presentes a prestigiarem o estande do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI-MA) no festival e conhecerem os licores de abacaxi Turiaçu produzidos pela entidade. 

“O SENAI-MA traz para o festival inovação e tecnologia com o projeto do abacaxi, onde desenvolve vários outros produtos a partir da espécie Turiaçu, com aproveitamento integral do fruto, produzindo desde a cachaça, o licor e muitos outros produtos”, reforçou o presidente da FIEMA, que também preside o Conselho Regional do SENAI. 

São dez diferentes tipos de licor do abacaxi Turiaçu, destacando o potencial da fruticultura e apostando na inovação. A proposta do SENAI é sair do tradicional e explorar combinações diversas, como licor de abacaxi com cheddar, abacaxi cremoso com coco, abacaxi com uva e até um licor cremoso à base de chocolate e tamarindo. 

Para o barman Leandro Rios, também empresário de uma empresa de drinks, disse que a iniciativa do SENAI é uma promoção gastronômica diferenciada e com grande potencial de agradar ao público local, pois utiliza frutas que o maranhense conhece. “Consegui observar vários métodos onde você pode utilizar o abacaxi de Turiaçu nos licores, que são muito saborosos e estão adequados à exigência nacional, além de ser um produto totalmente regionalizado”, disse. 

O Festival segue até este sábado, 2, e é uma oportunidade única para os apreciadores das bebidas experimentarem diferentes combinações. Além disso, é um espaço para empresas, produtores, fornecedores de equipamentos, insumos e serviços realizarem negócios.