Programa Porto do Futuro: Maranhão investe em pesquisa e estratégia de inovação para o Itaqui

Nesta sexta-feira (18), em solenidade no Palácio dos Leões, o governador Flávio Dino anunciou o Porto do Futuro, Programa de Incentivo à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) e preparação de profissionais para o mercado de trabalho (2022 a 2024), a partir de parceria entre a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) e a Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema).

O Porto do Futuro é um programa de pesquisa voltado para projetos que contemplem a área portuária a partir dos eixos de Operações, Meio ambiente, Relação Porto Cidade, Desenvolvimento Socioeconômico Sustentável, Desenvolvimento Tecnológico e Gestão Pública. Serão concedidas bolsas de pesquisa a estudantes e programas de pós-graduação maranhenses, auxílios a projetos de pesquisa, programa de intercâmbio portuário e reconhecimento de artigos e trabalhos de jornalismo científico por meio do Prêmio Porto do Itaqui.

“Nós estamos, hoje, lançando um edital, um programa de pesquisa fruto da parceria entre o Porto do Itaqui e a nossa Fundação de Amparo à Pesquisa. Esse processo é liderado pela Emap, a Empresa Maranhense de Administração Portuária, presidida pelo Ted, representando um aporte de R$ 40 milhões para projetos de pesquisa, para bolsas, pesquisadores que vão trabalhar em temas que são de interesse do Porto do Itaqui. Isso vai gerar conhecimento, vai gerar incentivos à pesquisa e inovação e, também, implicar em projetos de aprimoramento do Porto do Itaqui. A Fapema vai divulgar os editais oportunamente. Esses projetos de pesquisa serão desenvolvidos pelas instituições maranhenses, no caso a Universidade Federal do Maranhão, a Universidade Estadual, a UemaSul, o IEMA e universidades privadas. Todos serão convidados pela Fapema a participarem. Com isso, nós acreditamos que o Porto do Itaqui terá contribuição desses pesquisadores para aprimorar as suas atividades e crescer, cada vez mais, como um indutor de projetos, de processos de desenvolvimento no Maranhão, gerando emprego e renda”, pontuou o governador Flávio Dino.

O presidente da EMAP, Ted Lago, ressalta que por meio deste investimento em pesquisa e estratégia de inovação, o Porto do Itaqui, que é considerado um hub em economia e logística, agora poderá, também, ser reconhecido como hub de conhecimento em tecnologia portuária.

“É um projeto inovador não só para o Maranhão, mas para todo o Brasil. Nós queremos que o nosso Estado seja um hub, assim como nós somos um hub, hoje, de economia, de logística, mas também, um hub de conhecimento em tecnologia portuária. Que a gente possa envolver a capacidade local. Nós vimos as obras, vimos a expansão do Porto. O que une aquilo tudo é o conhecimento. Esse conhecimento, a gente quer que seja gerado localmente, então, convidamos e provocamos as academias, as universidades públicas e privadas, os IEMAs também, para que possam participar conosco desse crescimento que vai depender de conhecimento. Eu acho que esse é o grande desafio e a grande beleza desse projeto”, afirmou Ted Lago.

Para o presidente da Fapema, André Santos, o programa Porto do Futuro é uma mão de via dupla, que beneficia todo o sistema de portos e toda a sociedade pesquisadora maranhense.

“A oportunidade deste convênio, dos pesquisadores acessarem recursos substanciais faz, em contrapartida, vermos a possibilidade dessa expertise, dessa mão de obra não só dos professores mas, também, dos alunos de mestrado, doutorado, inclusive do Ensino Médio como IEMA e o IFMA, possam propiciar retorno à sociedade maranhense, sejam artigos de teses de mestrado, de doutorado, mas também de produtos. A grande realização dessa ação é propiciar uma mão de via dupla. Todo o sistema de portos se beneficia, mas também, a sociedade pesquisadora se beneficia nesse momento em que temos menos recursos federais e o Estado entra com aportes muito maiores do que muitos estados colocam para a sociedade pesquisadora. Isso beneficia a UFMA, UEMA, o IFMA, IEMA, a UemaSul e as universidades privadas também, porque a gente quer todos do Maranhão enviando projetos e participando desses editais que nós vamos lançar”, disse o presidente da Fapema.