Programa Farmácia Viva do Maranhão inspira implantação de projeto similar no Acre

O Programa Farmácia Viva Hortos Terapêuticos, iniciativa do Governo do Maranhão, através da Secretaria de Estado da Saúde (SES), é tema de pesquisa para publicação no Acre e servirá como base para implantação de um projeto similar no estado. O programa estimula o uso terapêutico de plantas medicinais.

Para o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, o programa é uma junção da ciência moderna com o senso comum e por isso tem dado tão certo. “Toda vez que eu falo do Farmácia Viva, eu falo da necessidade dessa ciência da modernidade se reencontrar com o senso comum, pegando as práticas milenares e testando-as com base na ciência moderna e ressignificando tudo isso, para que cheguemos em outro momento da ciência”, afirma o gestor. 

O professor e pesquisador da Universidade Federal do Acre (UFA), Dayan de Araújo Marques, está no Maranhão para conhecer o Programa Farmácia Viva, vivenciar na prática o seu funcionamento e replicar esse modelo no estado do Acre.

“Nosso objetivo é fazer uma imersão para vivenciar a prática de um programa tão bem-sucedido que já tomou dimensões nacionais, pois atualmente todo o Brasil tem muito a aprender com o Maranhão na gestão de hortos de plantas medicinais e na qualificação dos profissionais de saúde. Será uma investigação e aprendizado de como funciona esse movimento para que possamos dar segurança para a população do Acre no que se refere ao uso racional das plantas medicinais, coisa que o Maranhão tem feito com maestria e isso ultrapassou as fronteiras do estado”, afirma o pesquisador Dayan Marques. 

A coordenadora do Programa Farmácia Viva, Kallyne Bezerra, conta que saber que o programa está servindo de inspiração para outros estados é um grande orgulho. “Fazemos um trabalho simples, utilizando plantas medicinais com bases científicas e melhorando a qualidade de vida das pessoas. Esse é o grande chamariz deste programa, que começou como um projeto piloto e hoje é um programa de governo”, conta a coordenadora.

De acordo com o superintende de Atenção Primária de SES, Márcio Menezes, o Farmácia Viva tem sido visto de forma muito especial pela Secretaria de Estado da Saúde, pois vem sendo trabalhado diretamente com as comunidades tradicionais do estado. 

“Nosso objetivo é trabalhar com essas pessoas que já se medicavam com essas plantas, mas agora passam a se medicar corretamente, o que nos dá uma visibilidade nacional, pois o Maranhão é o estado que mais trabalha nessa frente com a Farmácia Viva. São 115 municípios com a Farmácia Viva implantada e, nos próximos dias, iremos implantar um horto no Hospital Regional de Barreirinhas”, explica o superintendente Márcio Menezes.

Serão duas semanas de imersão para a produção de um vídeo documentário e um artigo científico intitulado “Relato da Vivência do Projeto Farmácia Viva do Maranhão” que será apresentado para a Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) e para a reitoria da Universidade Federal do Acre (UFA) para a implantação do projeto Remédio Vivo que pretende funcionar de forma similar ao Farmácia Viva.

O pesquisador visitará ainda o município de Barreirinhas, Pastos Bons e hortos localizados em municípios da Região Metropolitana de São Luís, além de acompanhar as qualificações realizadas pela coordenação do Programa Farmácia Viva Hortos Terapêuticos durante esse período.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.