Governo promove ações de combate ao Aedes aegypti

Com a chegada do período do chuvoso, é redobrado o alerta quanto ao possível aumento no número de casos das arboviroses, doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, vetor de enfermidades como dengue, febre amarela urbana, além da zika e da chikungunya. Diante disso, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) está desenvolvendo ações para manter a população protegida. 

“Nós já estamos fazendo o enfrentamento de uma pandemia, e não podemos esquecer da responsabilidade que a população e agentes públicos têm de trabalharem juntos visando um bem maior que é a saúde de todos. Diante disso, a intensificação das ações alusivas ao combate às arboviroses não deverão se restringir apenas ao mês de dezembro, mas também durante todo o mês de janeiro”, afirmou a coordenadora do Programa das Arboviroses, Graça Lírio. 

Para este ano, algumas ações foram previstas com o intuito de fortalecer a luta contra o vetor das arboviroses, ao mesmo tempo que são respeitadas as medidas sanitárias vigentes no estado. Nos municípios de Bacuri, Cidelândia, Bom Jesus das Selvas e Vila Nova dos Martírios, devido ao risco de infestação, já foi iniciada a nebulização espacial, através de carros UBV, popularmente chamados de fumacê, como forma de impedir que os mosquitos na fase adulta consigam se reproduzir. 

Ainda em dezembro, no município de Paço do Lumiar, a SES está organizando a realização de nebulização espacial em ruas do Maiobão. Também no Maiobão, agentes de saúde do Estado e do Município farão uma mobilização durante todo o período da manhã, com vista à prevenção contra focos reprodutivos do mosquito, fazendo o diálogo corpo a corpo com a sociedade, com direito à distribuição de cartazes em estabelecimentos comerciais e postos de saúde, além de visitas domiciliares daqueles que não se enquadram no grupo de risco da Covid-19. 

Em razão da pandemia, desde o mês de março, o Ministério da Saúde suspendeu a obrigatoriedade do Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), deixando facultativa a realização ou não da pesquisa feita pelos municípios. A partir de janeiro do próximo ano, com o início de novas gestões municipais, estuda-se a possibilidade do retorno da coleta de dados. 

O último LIRAa realizado no estado foi executado por 136 municípios nos meses de outubro e novembro, o que representa 62,7% do total. Destes, 84 apresentaram incidência considerada baixa (38,7%), 50 com classificação de médio risco (23%) e 2 de alto risco (0,9%). Desse contingente, 45 cidades se enquadram como sendo de risco zero (20,7%). 
Planejamento  

Para 2021, a SES conta com intensa programação, principalmente em conjunto com os municípios. Essas investidas também incluem o treinamento dos agentes de endemias, assim como de médicos e enfermeiros, tudo para que os processos de acessibilidade dos serviços sejam aperfeiçoados, tanto para notificação como para o tratamento dos pacientes. 

Atualmente, existem diferentes formas de controle da proliferação do mosquito Aedes no Maranhão, duas são as mais bastante eficazes. A primeira atua na eliminação das fases ovo e larva do mosquito, enquanto que a segunda já quando o inseto se encontra na fase adulta.