Socioeducandos da Funac participam de roda de diálogo sobre orientação sexual e identidade de gênero

Os adolescentes que cumprem medidas socioeducativas no Centro de Internação do Vinhais participaram de uma palestra sobre orientação sexual e identidade de gênero. A ação foi realizada em parceria com a ONG Empoderart. A palestra foi ministrada pelos voluntários e apoiadores da ONG, Rodrigo Mackenzie e Pietra Serra. 

Durante a palestra foi abordado o conceito de cada letra da sigla LGBTI+ e explicado sobre identidade de gênero, orientação sexual, sexo biológico, além de esclarecimento de dúvidas dos participantes. Foi levantada também a importância da temática para o público de adolescentes.

“Achei muito gratificante poder trabalhar um tema tão vasto com jovens em medidas socioeducativas, pois levar informação para aqueles que necessitam é de grande importância, fazer com que eles se sintam importantes para a sociedade, e que eles podem mudar alguns pensamentos e atitudes com informações corretas”, declara Pietra Serra.

Os palestrantes explicaram que o termo orientação sexual está relacionado com as diferentes formas de atração afetiva e sexual de cada um. “Esse conceito veio substituir o termo “opção sexual” visto que as pessoas não escolhem sua orientação, ou seja, elas desenvolvem sua sexualidade ao longo da vida”, explica Pietra.

Pesquisas na saúde e na educação apontam e explicam que abordar assuntos sobre sexualidade com os mais novos é o melhor caminho para um crescimento saudável, mas há quem diga e acredite que falar sobre tal assunto ainda é um tabu, ou, pior, errado. “Em pleno século 21, meninos e meninas ainda são tratados de modo desigual. Precisamos mudar essa realidade juntos, questionando nossos hábitos, mudando nossos padrões e educando nossas crianças para a igualdade. Em casa, na escola, entre amigos, em todo lugar. Todos têm um papel importante”, comenta Rodrigo.

“Tentar desconstruir preconceitos que historicamente foram disseminados na sociedade, onde as pessoas não discutiam a lógica da atração sexual por pessoas do mesmo sexo. Disseminar a cultura do respeito pela diversidade, levar aos adolescentes e jovens para que reflitam que a orientação sexual passa por gênero”, comenta a diretora do Centro Socioeducativo de Internação do Vinhais, Josenilde Diniz.

Um dos adolescentes ressalta que a palestra tirou muitas dúvidas sobre o tema que ainda é visto como um tabu na sociedade. “Foi muito bom esse momento de discussão e pude tirar dúvidas, assim como os outros socioeducandos. Sabemos que ainda existe preconceito com as pessoas que tem a orientação sexual diferente, não deveria ter, pois são seres humanos e que devem ser respeitadas independente de orientação sexual. Deveria aparecer mais oportunidade de emprego, pois são muito discriminados”, declara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.