Pretendentes à adoção participam de curso online da 1ª Vara da Infância de São Luís

Participam, até o dia 03 de novembro, do primeiro curso online preparatório para adoção, realizado pela 1ª Vara da Infância e Juventude de São Luís, 51 pretendentes que ingressaram com pedido de habilitação na unidade judiciária. O curso é uma etapa obrigatória para o processo de adoção. Atualmente há 96 pretendentes habilitados e 27 crianças e adolescentes disponíveis para serem adotados na capital.

A capacitação é realizada por meio do sistema de webconferência do Tribunal de Justiça do Maranhão, com encontros online às terças-feiras pela manhã, exceto a abertura, que ocorreu na última quarta-feira (14). O curso foi idealizado e está sendo ministrado pela equipe técnica da 1ª Vara da Infância e Juventude, que tem como titular o juiz José Américo Abreu Costa.

Ministram as aulas a psicóloga Januária Aires, a assistente social Ana Cláudia Araújo Nepomuceno e a gestora local do Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA), Luciana Melo. O conteúdo é composto por seis encontros semanais de 3 horas, abordando os aspectos legais da adoção, motivação para adoção, ressignificando a adoção, filho ideal e filho real, origem da criança e sua nova configuração familiar. As aulas ao vivo ocorrem no horário da manhã.

Podem se candidatar à adoção pessoas casadas ou em união estável, solteiras, viúvas ou divorciadas. O primeiro passo é procurar a 1ª Vara da Infância e Juventude, que funciona no 7º andar do Fórum Des. Sarney Costa (Calhau), para conhecer os procedimentos. Em seguida, o pretendente à adoção ingressará, junto à unidade judiciária, com o pedido de habilitação. A equipe técnica da unidade acompanhará o pretendente e, após um estudo social e psicológico, dará um parecer que subsidiará o juiz na decisão sobre o processo de habilitação.

Após o trâmite do processo e prolatada a sentença de habilitação, o nome do pretendente será incluído no Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA), um banco de dados, único e nacional, composto de informações sobre crianças e adolescentes aptos a serem adotados e pretendentes habilitados à adoção, criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.