Para salvar o cerrado maranhense, professora de escola pública ensina alunos a identificarem e preservarem nascentes

No sertão maranhense, uma professora do Centro Educa Mais Professor Ribamar Torres, escola de Ensino Médio Integral em Pastos Bons (MA), tem driblado dificuldades regionais e promovido saberes por meio de projetos pedagógicos que trabalham questões socioambientais. Com o objetivo de proteger nascentes e preservar o cerrado, Rosa Maria ensina os estudantes a identificarem e cuidarem dos olhos d’água locais. Graças à iniciativa, que também é compartilhada no TikTok para conscientizar a população, a educadora foi convidada pelo Ministério da Educação para apresentar seus projetos de Iniciativa de Intersetorialidade na Educação, já que abordam problemas complexos relacionados a políticas públicas dentro da sala de aula.

O primeiro projeto, criado e orientado por Rosa, foi o mapeamento dos olhos d’água da zona urbana, feito com aplicativos no celular (GPS), em parceria com o Programa de Saúde Coletiva da Universidade Federal do Ceará. Neste trabalho, que recebeu o nome de “Olhos nos Olhos”, os alunos, além de estudarem a qualidade da água, também atuaram na limpeza das nascentes. Com auxílio do professor de matemática, os discentes calcularam a vazão das fontes exploradas, conversaram com os moradores para conhecer a história local, identificar como as fontes são utilizadas e ainda entender a sua importância para a comunidade.

A atividade surgiu dentro de uma eletiva da escola e faz parte do currículo diversificado do Ensino Médio Integral. O modelo coloca o Jovem na centralidade do processo educativo, incentivando o protagonismo juvenil e o ensino de forma ativa e colaborativa, assim como estimula a conexão das disciplinas através de propostas extracurriculares.

“O objetivo é engajar os jovens em atividades práticas a partir de temas transversais contemporâneos que contemplem os objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) da ONU, relacionando meio ambiente e saúde com a vivência de cada um. Ações como essa têm a proposta de estimular o aprendizado na prática de temáticas importantes, aliado ao resgate das ancestralidades locais”, explica Rosa Maria.

Tutoria, protagonismo juvenil e projeto de vida

A iniciativa de incluir os jovens nos projetos escolares e expandir esses ensinamentos para outros lugares, através dos vídeos no TikTok, documentários e palestras, tem aproximado cada vez mais a escola dos estudantes e transformado a educação por meio do protagonismo juvenil.

Para a estudante Aline Santos, que se viu estimulada pelo projeto, o acompanhamento da professora foi fundamental para seguir seu sonho na escrita. “Devo muito à professora Rosa Maria, que além de me mostrar que a biologia é tão linda e importante, me incentivou a participar das ações com minhas poesias. Decidi que quero me formar em letras para ser escritora e professora de língua portuguesa! E, mais para frente, quero me formar em artes visuais e cênicas também”, comenta a jovem.

Outra estudante que também teve seu projeto de vida incentivado pela ação é a Izabel Cirqueira, que deseja cursar ciências contábeis. “Tudo está envolvido nesse trabalho, incluindo a matemática. Lá no início, fizemos o mapeamento dos olhos d’agua usando aplicativos de GPS. Vimos os quilômetros, quanto tempo tinha, quantos minutos para chegar e eu gostei muito disso. Quero fazer Ciências Contábeis porque posso continuar o meu empreendedorismo e penso também em fazer licenciatura em matemática”, conta a aluna.

Reconhecimento

A professora Rosa Maria também conta que inscreveu o projeto “Olhos nos Olhos” para concorrer ao Prêmio Perestroika Professores Criativos, chegando como finalista na categoria Ensino Básico. “Foram várias conquistas junto à escola e nossos alunos. Estamos no Guia de Professores Criativos do Brasil de 2022. Também ganhamos o Selo Professor Transformador pelo Instituto Significare e o prêmio Territórios do Instituto Tomie Ohtake em 2022. Além disso, fomos agraciados com um kit multimaker na categoria dos 100 Professores Protagonistas da Mudança no Salve For Tomorrow SAMSUNG do ano passado”, finaliza Rosa.

Tempo Integral

A ampliação da carga horária nos Centros Educa Mais (CEM) teve início em 2016. Atualmente, essa política envolve cerca de 91 escolas de tempo integral para mais de 30 mil alunos no Maranhão.
O Ensino Médio em Tempo Integral é uma proposta pedagógica multidimensional, moderna, nacional, pública e gratuita. A partir de um modelo de ensino que se conecta à realidade dos jovens e ao desenvolvimento de suas competências cognitivas e socioemocionais, propõe a formação integral dos estudantes. Trabalha pilares como projeto de vida, aprendizado na prática, tutoria, protagonismo juvenil, acolhimento, orientação de estudos e eletivas, que promovem a formação completa do estudante, junto aos componentes curriculares já previstos na BNCC. Essa proposta pedagógica está presente em cerca de 6 mil escolas em todo o país, beneficiando mais de 1 milhão de estudantes.