IMESC e Prefeitura de São Luís lançam estudo sobre espacialização de empresas

“Espacialização das empresas em São Luís: concentração de estabelecimentos e dos setores de atividades econômicas por bairro” é o tema da mais recente publicação do Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (IMESC), autarquia vinculada à Secretaria de Estado de Programas Estratégicos (SEPE), elaborado em parceria com a Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento (SEPLAN) e o Instituto da Cidade, Pesquisa e Planejamento Rural e Urbano (INCID), ambos órgãos da Prefeitura de São Luís.

O estudo foi lançado nesta segunda-feira (13) e objetiva oferecer informações úteis para iniciativas voltadas ao planejamento e à gestão pública, focando em aspectos espaciais do conjunto de empresas formais ativas situadas em São Luís, com base na localização dos endereços desses estabelecimentos.

“Os resultados da pesquisa possibilitam atender à necessidade de informações básicas, a fim de subsidiar políticas de atração de empresas para a capital e de redução de desigualdades intramunicipais relacionadas à distribuição dessas unidades produtivas”, destaca o presidente do IMESC, Dionatan Carvalho.

Além de adotar o bairro como principal unidade territorial de análise, a pesquisa possui outros pontos em comum com o estudo “Concentração setorial de empresas, por bairro, em Fortaleza”, realizado pela Prefeitura de Fortaleza: I) o uso da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) como banco de dados primário; II) a adoção da Classificação Nacional de Atividades Econômicas, versão 2.0 (CNAE 2.0), para identificar as empresas por setor de atividade; III) e a aplicação de dois índices, de modo a mensurar o grau de concentração de empresas e dos setores econômicos, por bairro.

Com base nos dados da RAIS de 2019 e do último censo nacional, a distribuição espacial das empresas em São Luís mostrou-se altamente concentrada em poucos bairros da capital, a maioria na região norte do município. A geografia das empresas registradas na capital maranhense também apresenta “espaços vazios”, bairros sem registros de estabelecimentos formais ativos ou com números muito inferiores aos de outras localidades.

Esses vazios de empresas são maiores na porção sul do município, em áreas rurais e no distrito industrial, mas também ocorrem dentro das demais regiões, inclusive onde há bairros com os maiores quantitativos de estabelecimentos formais ativos no ano de referência.

Confira a publicação na íntegra, clicando no link: https://imesc.ma.gov.br/portal/Post/view/espacializacao-de-empresas/364

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.