Governo lança expansão do Programa Maranhão Verde para Baixada Maranhense

O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA), realizou, nesta sexta-feira (5), o lançamento da expansão do Programa Maranhão Verde para a Baixada Maranhense. O evento contou com a presença do secretário de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais, Diego Rolim, do deputado federal André Fufuca, e dos prefeitos dos municípios de Palmeirândia, Penalva, Pinheiro e Santa Helena.

O Programa Maranhão Verde, criado em 2017, já beneficiou mais de 452 famílias maranhenses e, em 2021, tem previsão de investimento de R$ 2,5 milhões com sua expansão para os quatro municípios da Baixada Maranhense (Pinheiro, Penalva, Palmeirândia e Santa Helena). Ao todo, mais de 60 mil mudas serão plantadas e 400 famílias beneficiadas com a Bolsa-Maranhão Verde.

O objetivo do programa é fomentar e desenvolver projetos voltados para apoiar a conservação e recuperação ambiental, além de promover a capacitação ambiental, social, educacional, técnica e profissional da população. No âmbito do Programa, São Luís conta com 263 beneficiários em ações de preservação ambiental no Parque Estadual do Bacanga.

Para o secretário de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais, Diego Rolim, o programa é de suma importância, pois ele irá beneficiar economicamente e também irá capacitar as pessoas. “Nós temos uma região rica em recursos naturais, mas ainda com baixo IDH, então esse programa veio tanto para ajudar os municípios economicamente como forma de capacitação para as pessoas que receberão a bolsa”, complementou. O secretário enfatizou ainda que, “o governador Flávio Dino é sensível a esses atos e deve expandir o programa para vários municípios do Maranhão, pois o Maranhão Verde é também uma forma de fazer a preservação do meio ambiente. Com ele, elevaremos o IDH do Maranhão”, disse.

O deputado federal André Fufuca ressaltou que o programa é inovador e se divide em duas áreas nobres da sociedade: preservação do meio ambiente e distribuição de renda. Além disso, enfatizou que essa expansão só está no começo. “O Maranhão consegue, de forma inovadora, colocar em prática esse projeto, que, assim que o Brasil conhecer, vai levar aos quatro cantos do país. Agora a Baixada Maranhense será beneficiada e, consequentemente, outras áreas também do estado, que merecem a mesma atenção e necessitam dessa preservação e distribuição de renda para quem mais precisa”, afirmou.

Para o prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio, o programa é importante no sentido de que leva a conscientização da preservação do meio ambiente para todas as pessoas. “Levar o programa a quem só tem a pesca e programas sociais como formas de subsistência é estar conscientizando sobre a preservação do meio ambiente para que entendam que, através das práticas sustentáveis, também pode se adquirir renda, implementando a capacitação do programa em outras ações”, enfatizou.

Também estiveram presentes na ocasião, o prefeito de Palmeirândia, Edilson Campos; o prefeito de Penalva, Ronildo Campos; o prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio; o prefeito de Santa Helena, Zezildo Almeida; os vice-prefeitos desses municípios; a secretária adjunta de Desenvolvimento Sustentável, Karla Genésio; o superintende de Economia Verde e responsável pelo Maranhão Verde, Jadiel Lins; além de outras autoridades.

Sobre o Maranhão Verde

O primeiro projeto do Maranhão Verde foi executado no Parque Estadual do Mirador, por meio do Projeto Berço do Rio Itapecuru, com a participação de 189 famílias do parque. Atualmente, o programa é realizado no Parque Estadual do Bacanga, com o projeto Florestas Protetora de Mananciais, destinado à conservação e recuperação das matas ciliares e áreas de recarga do parque, com foco nas regiões do reservatório do Batatã e do Rio Prata.