Equipes de robótica do SESI-MA fazem último treino antes da competição nacional

SÃO LUÍS – Os alunos das escolas do SESI Maranhão encerram nesta quarta-feira, 21, pela manhã, os treinos para a etapa nacional do Torneio de Robótica. Entre os dias 28 de fevereiro e 2 de março, 72 alunos das Escolas SESI São Luís e Imperatriz, divididos em 11 equipes, vão representar o SESI-MA em quatro modalidades do torneio, realizado dentro do Festival SESI de Educação, em Brasília.

No Torneio SESI de Robótica Regional Maranhão, que aconteceu em janeiro deste ano em São Luís, participaram competidores do próprio estado, do Piauí, Paraíba, Paraná, Pará e Alagoas. Nesta sua 4ª edição, o SESI ousou mais uma vez e colocou em condições de igualdade de disputa alunos de escolas privadas e públicas por meio do Projeto SESI Prototipando Sonhos, que tem a adesão de dezenas de municípios. A iniciativa é uma forma de democratizar o aprendizado de robótica a crianças e adolescentes do interior do Maranhão.

A iniciativa, com características inéditas no país, conta com o apoio do governo estadual por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA). Os integrantes do projeto recebem bolsa de estudo e na prática antecipam o período de inovação científica.

SOBRE AS MODALIDADES:

First Lego League Challenge (FLL)

É uma robótica inspirada em Legos. No tapete, 15 missões estão dispostas para as equipes, que buscam conquistar a maior pontuação possível durante o round, que dura dois minutos e meio. Cada time é formado por alunos de 9 a 15 anos. O desafio desses alunos é mostrar todo conhecimento, habilidade e união durante o torneio. 

F1 In Schools (F1)

A F1 in Schools é uma competição internacional para estudantes de 9 a 19 anos que tem por objetivo promover, ainda na escola, o conhecimento e a prática nas áreas de ciências, tecnologia, engenharia, matemática e marketing, gerenciando escuderias que funcionam como uma empresa. Além das competições em pistas de corrida com carros em miniatura projetados pelos competidores, há projetos sociais desenvolvidos pelas equipes como importante parte da competição. 

First Tech Challenge (FTC)

FTC é muito mais do que construir robôs. As equipes desta modalidade (de 3 a 15 membros – formadas por estudantes a partir do 9º ano até o Ensino médio) são desafiadas a projetar, construir, programar e operar robôs para competir em um desafio em formato de aliança. Guiados por dois técnicos adultos, os estudantes desenvolvem habilidades STEAM (ciência, tecnologia, engenharia, artes e matemática). Os robôs são construídos a partir de um kit de peças reutilizáveis, com tecnologia Android e podem ser codificados usando uma variedade de níveis de programação baseada em Java.

First Robot Challenge (FRC)

Na FRC, estudantes do Ensino Médio são desafiados a projetar, construir e programar robôs de tamanho industrial (com mais de 1 metro e meio de altura) para competir em um jogo de arena, por meio de alianças formadas com outros times. É o mais próximo ao mundo real da engenharia que os estudantes podem chegar. Ao mesmo tempo, os competidores criam uma identidade de equipe, arrecadam fundos, aprimoram as habilidades de trabalho em equipe e promovem ciência, tecnologia, engenharia, artes e matemática (STEAM) dentro da comunidade local. Os robôs são construídos a partir de um kit de peças, que, em sua maioria, são doadas por indústrias de diversos segmentos.

EQUIPES MARANHENSES QUE COMPETEM NA ETAPA NACIONAL DO TORNEIO

FLL

PHOENIX – 4 alunos

DRACARYS – 7 alunos

GIPSY DANGER – 6 alunos

STRIKER – 6 alunos

SNAKE ROBOTS (equipe de garagem) – 5 alunos

F1

PUGNATOR – 6 alunos

SPARTACUS – 6 alunos

GRAFFENO (Imperatriz) – 5 alunos

FRC

COLOSSUS – 10 alunos

FTC

EVEREST – 7 alunos

FALCONS – 10 alunos