Criptomoedas continuam mexendo com o mercado financeiro

As criptomoedas têm despertado maior interesse dos brasileiros. Levantamento realizado pela consultoria Grimpa com investidores do país mostrou que 96% deles ouviram falar no ativo digital e 41% já investiram. Com as boas perspectivas para o mercado, a expectativa é que mais pessoas busquem essa modalidade.

A aceleração da digitalização financeira durante a pandemia da Covid-19 e a alta valorização de parte das criptomoedas contribuíram para o aumento da procura, segundo análise da consultoria. Ainda de acordo com o estudo, Bitcoin, Litecoin, Ethereum, Binance Coin e Dogecoin são, nesta ordem, as moedas digitais mais conhecidas pelos brasileiros.

Aprofundar os conhecimentos sobre o assunto pode ser bastante lucrativo. Na avaliação do analista de mercado do canal Altcoin Daily, Aaron Arnold, outros ativos estarão em alta a partir deste segundo semestre de 2021. Além do Bitcoin e do Ethereum, ele avalia que o Elrond, o Uniswap e o Chainlink passarão por uma valorização expressiva.

No momento, os valores das moedas estão: R$ 242.311,33 o Bitcoin; R$ 16.655,38 o Ethereum; R$ 712,38 o Elrond; R$ 189,12 o Uniswap; e R$ 146,88 o Chainlink, conforme apuração feita em 16 de agosto.

Como começar a investir em criptomoeda

De acordo com a pesquisa da Grimpa, 53% dos entrevistados que já ouviram falar em criptomoeda não investiram por não saber por onde começar. Mas ingressar nesse mercado não tem grandes mistérios. Assim como qualquer outro ativo, é necessário avaliar o risco, a liquidez e a rentabilidade.

Quando se fala em criptomoedas, o risco é alto. Segundo o estudo, a maior parte dos investidores no Brasil é composta por homens, entre 18 e 24 anos, que integram a Classe A e têm o perfil arrojado, ou seja, estão dispostos a se arriscar para alcançar lucros maiores.

O rendimento e a liquidez dependem da demanda do ativo e, por isso, no momento em que cada vez mais pessoas se interessam pela modalidade, estão bem altos. Quem deseja seguir por esse caminho deve ter uma conta em uma corretora de investimentos que trabalhe com as moedas digitais. A prática exige informação e acompanhamento do cenário.

Em quais criptomoedas investir

Em entrevista concedida ao canal da Genial Investimentos, o co-fundador e CMO da Liqi Digital Assets, Felippe Percigo, orienta quem deseja ingressar nesse mercado. “É aconselhável começar pelo Bitcoin ou Ethereum para se adaptar e depois incorporar outras moedas.” Por ser mais difundido e acessível ao grande público, o Bitcoin é considerado uma espécie de “porto seguro” entre os investidores. Já o Ethereum tem ganhado destaque pela alta performance nos últimos tempos.

Ele destaca que há outras criptomoedas surgindo e que os preços estão subindo exatamente pelo maior interesse das pessoas, no Brasil e no mundo. “É uma questão de oferta e demanda”, explica Percigo.

Para ele, as perspectivas para o mercado são positivas, mas o investidor deve manter a cautela. “O mercado vai continuar crescendo, mas ainda é novo e não sabemos como vão ser as regulamentações que serão criadas.” Para o consultor, investir em criptomoedas vale a pena, mas é importante seguir acompanhando as informações do mercado.