O Maranhense|Notícias do Estado do Maranhão

CNN Sinais Vitais” discute os avanços cirúrgicos para bebês que ainda não chegaram a nascer

Na edição desta *quarta-feira (01/12)*, às *22h30min*, o *CNN Sinais Vitais* apresenta o tema *Medicina Fetal: destinos transformados*. O programa, comandado pelo médico Roberto Kalil, vai falar sobre os avanços das cirurgias que salvam vidas e mudam o prognóstico de pacientes ainda dentro do útero. Kalil trata de tudo o que envolve a *medicina fetal*: o desejo de ter um filho; a felicidade de conseguir a gestação; um diagnóstico que vira a vida da família de cabeça pra baixo; a possibilidade de detectar, tratar e até curar algumas doenças ainda na gravidez. Essa especialidade, aliás, é uma das que mais se desenvolveram na medicina, nas últimas duas décadas.

O *episódio 31* do programa tem como cenário o hospital onde o *Dr. Kalil* nasceu, na região central de São Paulo. Lá, ele conversa com um dos maiores especialistas em medicina fetal, o médico *Fábio Peralta*, que trabalha na maternidade *Pro Matre* e no hospital *HCor*. Peralta explica que a especialidade trata de problemas do sistema nervoso central ao coração, do tórax aos rins e vias urinárias. “Tudo isso dentro da barriga. As cirurgias podem ser a céu aberto ou com o uso de endoscopia, que é a maior parte. Tudo depende da doença e das condições do bebê”, explica o médico.

A equipe do *CNN Sinais Vitais* acompanhou duas cirurgias fetais e o parto de uma menina que havia sido operada quando ainda estava dentro do útero da mãe. A cirurgia foi realizada para corrigir uma *mielomeningocele*, problema na coluna, também chamado de *espinha bífida*. Essa disfunção afeta o sistema nervoso central do bebê e pode gerar *hidrocefalia*, aumentando em mais de *80%* as chances de a criança não andar. 

O episódio desta semana também relembra a primeira cirurgia fetal bem-sucedida no Brasil para a correção da *Síndrome de Transfusão Feto Fetal*, uma das situações mais graves na gestação de gêmeos que dividem a mesma placenta. Ela ocorre quando um dos bebês começa a receber mais sangue do que o outro, podendo causar danos neurológicos e até mesmo a perda da gestação.

Para abordar o assunto, o *Dr. Kalil* conversa com a médica *Denise Lapa*, especialista em medicina fetal do *Hospital Israelita Albert Einstein*, que conduziu a primeira cirurgia do tipo no Brasil, em 1997, mas apenas um bebê sobreviveu. Seis anos depois, em 2003, ela conseguiu salvar os dois bebês, que cresceram sem qualquer sequela. A reportagem da *CNN Brasil* conversou com a família dos gêmeos, Henrique e Gabriel Gibertoni, hoje com 17 anos. Na opinião da médica, “o feto é um paciente maravilhoso, porque ele tem uma capacidade de auto-reparação incrível. À medida que a gente vai vencendo no conhecimento e tratando novas doenças, a gente vê as coisas maravilhosas que eles conseguem fazer”.

Os problemas mais frequentes no feto, que permitem uma intervenção antes do parto, são *mielomeningocele*, *transfusão feto fetal*, *hérnia diafragmática congênita*, *obstruções da bexiga* e *cardiopatias congênitas*. Para falar da saúde do coração dentro do útero, o *CNN Sinais Vitais* foi ao *Hospital do Coração (HCor)*, onde ouviu alguns dos principais cardiologistas pediátricos e intervencionistas do país. 

 * O “CNN Sinais Vitais”, com o Dr. Roberto Kalil, vai ao ar na quarta-feira (01/12), às 22h30, na “CNN Brasil”, logo após o “Jornal da CNN”. Horários alternativos: sábado (13h15 e  03h05) e  domingo (05h15). No youtube, ao vivo (quarta-feira, 22h30min) e on demand, após a exibição do episódio inédito.

Sobre a CNN Brasil

A CNN Brasil começou a operar em 15 de março de 2020 produzindo conteúdos multiplataformas, com notícias transmitidas na TV, rádio, site, aplicativo e YouTube e ainda em perfis nas redes sociais Instagram, Facebook, Twitter e LinkedIn, pushes, notificações, newsletters e podcasts.

A emissora já conquistou 11 prêmios e em seu elenco figuram alguns dos jornalistas mais reconhecidos e com maior credibilidade junto ao público nacional, além de novos talentos do telejornalismo.