Boletim de Conjuntura Econômica Maranhense revela avanços no terceiro trimestre de 2023

O Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc), vinculado à Secretaria de Estado do Planejamento e Orçamento (Seplan), publicou, nesta sexta-feira (29), o Boletim de Conjuntura Econômica Maranhense, destacando dados que apontam uma realidade econômica positiva no estado durante o terceiro trimestre de 2023.

O Boletim visa oferecer uma análise abrangente da conjuntura econômica maranhense, explorando áreas como relações internacionais, comércio exterior, Produto Interno Bruto (PIB), inflação, finanças públicas e mercado de trabalho. O objetivo é proporcionar uma compreensão profunda dos fatores que impulsionam o crescimento econômico no Maranhão.

A publicação destaca que, no âmbito nacional, o PIB registrou um acréscimo de 0,1% em comparação ao trimestre anterior e um aumento de 3,2% em relação ao mesmo período de 2022. Essa performance reflete tanto o desempenho do setor de serviços quanto o setor industrial, os quais registraram um alta de 0,6% em comparação com o trimestre anterior.

No contexto estadual, estima-se crescimento de 3,4% para o PIB em 2023, com destaque para o setor agropecuário, que deve apresentar alta de 8,0% em razão do aumento na produção de grãos, principalmente no que se refere ao cultivo de soja (+8,2%) e milho (+11,2%).

A indústria maranhense também sinaliza crescimento, com alta de 1%, ademais, projeta-se elevação de 3,2% no setor terciário, impulsionado pelo crescimento no volume de serviços prestados, que cresceu 9,4 de janeiro a outubro de 2023 e pelo comércio varejista ampliado, que registrou alta de 13,3% no mesmo período.

Os resultados positivos ao longo do ano refletiram no desempenho do mercado de trabalho no Maranhão, com redução da taxa de desemprego em 2,9 pontos percentuais em comparação ao terceiro trimestre de 2022, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Contínua.

Com a taxa de desemprego de 6,7%, o estado apresenta a menor taxa da região Nordeste, situando-se abaixo da média regional de 10,9%. No que se refere ao emprego formal, foram geradas 24.567 novas vagas de emprego com carteira assinada no acumulado até outubro, conforme o Novo Caged.

O Maranhão destacou-se como o segundo estado do Nordeste com o maior volume e valor de exportações acumuladas de janeiro a novembro de 2023, totalizando US$ 5,1 bilhões em exportações, segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

“O panorama econômico do Maranhão apresenta resultados positivos, com criação de novos empregos e indicadores de atividade econômica em elevação. Os investimentos públicos e privados vêm sendo o motor desse desempenho. Entretanto, desafios como a manutenção de taxas de juros ainda elevados, incertezas nas perspectivas externas, juntamente com o alto nível de endividamento são obstáculos para o aumento do consumo das famílias”, ressaltou o presidente do Imesc, Dionatan Carvalho.