Imesc divulga Diagnóstico da Atividade Apícola Maranhense

O Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc), autarquia vinculada à Secretaria de Estado do Planejamento e Orçamento (Seplan) divulgou, na última quarta-feira (14), o Diagnóstico da Atividade Apícola Maranhense.

O estudo, elaborado em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa e Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema), busca caracterizar a atividade apícola maranhense para apontar as potencialidades e seus impactos no desenvolvimento socioeconômico do Maranhão. Assim, a publicação apresenta um panorama da apicultura no Brasil e no mundo, além de caracterizar a produção de mel no estado, discutindo seus principais obstáculos e potencialidades.

O Brasil destaca-se tanto na produção quanto na exportação do mel, sendo o décimo maior produtor e o quarto maior exportador do produto em 2021. A relevância do país nas exportações se deve principalmente à qualidade do mel brasileiro e ao baixo consumo interno, quando comparado aos principais mercados consumidores, como os Estados Unidos e a Europa.

Rio Grande do Sul e Paraná são os estados com maiores produções de mel. O Piauí se destaca com uma expressiva quantidade exportada, quase duas vezes maior do que a produzida.

Atividade Apícola Maranhense

No Maranhão, a atividade apícola enfrenta desafios de beneficiamento e comercialização. Os maiores produtores se localizam no noroeste do estado, principalmente nas regiões Alto e Baixo Turi como os municípios de Maracaçumé Santa Luzia do Paruá.

A concentração da produção do mel na região do Turi está relacionada à presença do bioma amazônico, que promove favorável pasto apícola para as abelhas africanizadas, além de outros fatores.

O Diagnóstico da Atividade Apícola Maranhense pode ser acessado na íntegra no site do Imesc (www.imesc.ma.gov.br).