Quebradeiras de coco de Chapadinha: história de desenvolvimento e luta

Há um ano, 26 quebradeiras de coco do Projeto de Assentamento Canto do Ferreira, em Chapadinha, receberam do Governo do Estado, por meio do Sistema SAF (Agerp-Iterma-SAF), uma agroindústria de beneficiamento de óleo do coco babaçu.

Na época, o recurso destinado foi de R$ 280 mil, que garantiu a montagem da estrutura, composta por forno industrial, misturador, laminadora, liquidificador industrial, etiqueta seladora, kit de higiene para cozinha e escritório completo. O trabalho desenvolvido no local integra um conjunto de ações desenvolvidas pela Cadeia Agroextrativista do Babaçu, coordenada pela SAF com apoio técnico da Agerp.

E para celebrar o mês da agricultura familiar, marcado pelo dia do Agricultor Familiar em 25 de julho, a equipe de governo retornou ao assentamento para conversar com essas mulheres e mostrar o que mudou após esse ano de parceria.

Tudo começou bem cedo, numa caminhada até os babaçuais. Há gerações essa tem sido a rotina dessas agricultoras familiares: passar o dia coletando os cocos e quebrando-os ao meio, de maneira manual em método tradicional, para extrair o fruto que é utilizado de variadas formas.

Maria Lúcia, moradora do povoado há mais de 20 anos, diz que desde a infância desenvolve esse ofício. “Comecei a quebrar coco com a minha mãe e avó, e com muito orgulho posso afirmar que esse foi o único trabalho que nunca me deu prejuízo. E agora, com conhecimento e incentivo, estamos melhores ainda”.

Maria Gracilene, presidente da Associação das Quebradeiras de Coco de Chapadinha, afirmou que do babaçu se aproveita praticamente tudo. “Depois que fomos contempladas a procura pelos nossos produtos ficou maior ainda. Antes a gente não sabia utilizar corretamente tudo o que o fruto pode oferecer. Mas com o apoio que recebemos do governo tudo mudou”.

No comando da agroindústria estão apenas mulheres, que trabalham com o mesocarpo do babaçu, produzindo biscoitos, bolos, farinha, azeite, agregando valor aos produtos e contribuindo para a geração de emprego e renda das quebradeiras.

O secretário da SAF, Júlio César Mendonça, destacou o empenho do Governo do Maranhão em valorizar o esforço das comunidades tradicionais e estimular a produção de seus produtos.  

“O compromisso firmado pelo governador Flávio Dino com os agricultores e agricultoras do Maranhão segue firme, destinando ações de proteção e incentivo, que consigam manter as famílias campo, com novas formas de comercialização, acesso às tecnologias e garantias concretas de emprego, renda e qualidade de vida”, frisou o secretário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.