Novo sistema de informações auxiliará investigações do MPMA

Resultado de Termo de Cooperação Técnica firmado com o Ministério Público de Sergipe, o sistema informacional Galactus já foi instalado no Ministério Público do Maranhão. O objetivo é ajudar membros da instituição e auxiliares na coleta de registros de dados cadastrais, atividades, vínculos e outras informações necessárias para investigações.

No MPMA, o sistema se encontra agora na fase de inserção das bases de órgãos e instituições conveniadas e cadastro dos usuários.

Além da busca nas bases de dados de órgãos e instituições nacionais e estaduais, como Receita Federal, Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e Relação Anual de Informações Sociais (Rais), será possível acessar os quadros dos MPs de Sergipe, Pará e Alagoas, integrantes da rede. O sistema, inclusive, se encontra em fase de expansão para outras unidades ministeriais.

A infraestrutura do Galactus foi desenvolvida, primeiramente, no Ministério Público de Sergipe, com a premissa de integrar, de forma amigável, diversas fontes de dados capazes de trazer aos investigadores, promotores de justiça e demais usuários, agilidade na obtenção de informações.

No Maranhão, a primeira fase do sistema foi implantado por servidores do Laboratório de Tecnologia contra Lavem de Dinheiro (LAB-LD) em parceria com a equipe do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), sendo fundamental para o trabalho dos dois órgãos do MP.

“A principal vantagem deste sistema é que permite com uma única busca o acesso a todas as bases de dados cadastradas. Outro ganho é o acesso às plataformas de outros Ministérios Públicos estaduais que implantaram o Galactus”, ressaltou a promotora de justiça, integrante do Gaeco, Klycia Luiza Castro de Menezes.

Todos os membros do MPMA terão permissão para entrar no sistema e cada um poderá indicar até dois servidores para acessar o Galactus.

“Este foi mais um passo dado pelo Ministério Público do Maranhão para a modernização de seu sistema de informática e de inteligência, com o objetivo de facilitar o trabalho dos membros em suas investigações”, declarou o procurador-geral de justiça Luiz Gonzaga Martins Coelho.