Natura Ekos comemora três anos de certificação UEBT com novas parcerias com comunidades agroextrativistas

Natura Ekos comemora três anos de certificação pela União para o Biocomércio Ético (UEBT – The Union for Ethical BioTrade). O selo certifica o fornecimento ético dos bioativos com respeito à biodiversidade e às pessoas pelo biocomércio justo, gerando renda e condições seguras de trabalho para as comunidades de sua cadeia produtiva, mantendo a floresta em pé.  A marca de cuidados pessoais é uma das únicas marcas do mundo a conquistar a certificação

“Utilizamos técnicas de bioagricultura para que nossos processos ajudem na recuperação das águas, regenerem solos e melhorem a qualidade do ar nas regiões onde atuamos. Somado a tudo isso, é fundamental que as comunidades tenham garantia de renda justa e condições socioeconômicas adequadas tanto pela venda de matéria-prima quanto pela repartição de benefícios”, afirma Mauro Costa, gerente de suprimentos da Natura.

Atualmente, a Natura se relaciona com 8,3 mil famílias em 40 comunidades nas cadeias produtivas da sociobiodiversidade. No mesmo ano em que Ekos celebra a renova o selo UEBT, a Natura já fechou parceria com cinco novos parceiros:

  • Associação dos Produtores Agroextrativistas da Colônia do Sardinha (Aspacs), do município de Lábrea (AM), para manteiga de murumuru;
  • Cooperativa dos Produtores de Agricultura Familiar e Economia Solidária de Nova Cintra (Coopercintra), de Rodrigues Alves (AC) para manteiga de murumuru;
  • Cooperativa dos Pequenos Produtores Agroextrativistas de Lago do Junco (​COPPALJ)dos municípios de Lago do Junco, Lago dos Rodrigues e Bom Lugar (MA) para óleo de babaçu;
  • Cooperativa Central de Comercialização Extrativista do Acre (Cooperacre) de Rio Branco (AC) para Castanha;
  • Fundación Chankuap da cidade de Macas (Equador) para óleo essencial de Ishpink

Em 2017, a Natura se tornou membro da União para o Biocomércio Ético (UEBT – The Union for Ethical BioTrade). Em 2018, Natura Ekos passou a contar com duas certificações da organização. Uma delas – renovada agora em junho de 2021 – atesta que as comunidades fornecedoras estão em conformidade com os preceitos de biocomércio ético. A segunda, que deve ser renovada em 2022, comprova aspectos relacionados à conservação da biodiversidade, gestão organizacional, boas práticas de produção, questões trabalhistas e de saúde e segurança e não ocorrência de trabalho infantil, forçado ou análogo ao escravo. As duas certificações são auditadas por terceira parte independente. ”Em razão da pandemia, as auditorias da UEBT para as novas comunidades serão feitas tão logo possamos fazer o  deslocamento das equipes para as localidades. De toda forma, as capacitações já foram iniciadas à distância para assegurar os padrões estabelecidos pela Natura e pelo selo UEBT”, pontua Costa