Hospital Presidente Vargas reforça campanha Dezembro Vermelho com prevenção e tratamento a casos de HIV/Aids

No Maranhão, o Hospital Presidente Vargas é referência no tratamento de HIV/Aids, ISTs, doenças tropicais e Tuberculose. A unidade, que pertence à rede estadual de saúde, conta com uma equipe multiprofissional e realiza o diagnóstico, o acompanhamento médico e o tratamento de pessoas com as doenças. Nesta quarta-feira (2), uma ação na unidade de saúde marcou a chegada do Dezembro Vermelho, campanha que busca fortalecer as ações realizadas para a prevenção e a redução da transmissão do HIV/Aids.  

O momento contou com a presença de profissionais de saúde, pacientes e representantes da sociedade civil e entidades públicas e aconteceu na recepção do ambulatório, enfatizando os serviços ofertados pela unidade, com o objetivo de reduzir e prevenir a transmissão vertical do HIV no Maranhão. 

“Aqui no Hospital Presidente Vargas, temos constantemente executado melhorias estruturais e capacitação dos profissionais. Dentro em breve, o governo criará o Instituto de Infectologia, local que receberá os pacientes e onde poderemos aumentar a capacidade de atendimento, impactando diretamente no cuidado oferecido”, disse o secretário adjunto de Assistência em Saúde (SAAS-SES), Carlos Vinícius Ribeiro.

Além do apoio médico especializado, no Hospital Presidente Vargas, o paciente recebe amparo psicológico e clínico-terapêutico. O atendimento ofertado é por demanda referenciada vinda de todo o estado. Atualmente, a unidade oferece tratamento ambulatorial para 8.200 pacientes cadastrados, oriundos de São Luís e municípios do interior do estado. 

Segundo o diretor clínico do Presidente Vargas, Dimitrius Garbis, a principal ferramenta de combate à doença continua sendo o diagnóstico precoce. “Quando feito com sucesso, conseguimos interromper a linha de transmissão, eliminando a chance de outras pessoas serem infectadas. No caso das gestantes, foi instituído que durante o pré-natal a mulher seja submetida a testagem, e, caso seja confirmado, ela será encaminhada para as unidades referência”, destacou. 

Para a médica-infectologista Conceição Pedrosa, o diagnóstico precoce também é sinônimo de segurança. “A mãe gestante que faz o pré-natal e que por ventura teve teste positivo para HIV, ela imediatamente inicia o tratamento, pois o objetivo é evitar que a doença afete a criança. Por isso é importante que os testes sejam feitos nos três trimestres da gestação, assim como parceiro sexual, aumentando as chances de um diagnóstico por tabela”, pontuou. 

Na unidade, além das consultas médicas com o infectologista, são realizadas também consultas com nutricionista, médico oftalmologista e dentista. Por mês, a unidade contabiliza cerca de 40 diagnósticos, e para aqueles que necessitarem de internação, a estrutura dispõe de 30 leitos de Enfermaria e outros 9 de UTI. 

Diagnosticado há 8 anos com o HIV, o senhor Pedro da Silva, de 61 anos, natural de Barreirinhas, disse que o serviço é fundamental para a sua saúde. “Tudo que eu preciso faço por aqui mesmo, incluindo pegar as minhas medicações. Gosto bastante porque o hospital mantém contato conosco, tanto que vim hoje aqui a pedido, para fazer nova bateria de exames a fim de saber se está tudo bem comigo”, afirmou. 

Dezembro Vermelho

A Campanha Dezembro Vermelho busca fortalecer as ações realizadas ao longo do ano para a prevenção e redução da transmissão do HIV/Aids. Neste ano, a campanha tem como tema “Maranhão na luta pela redução da transmissão vertical do HIV”. A mobilização se concentra em aumentar a busca ativa em gestantes, incentivando a realização do pré-natal para o diagnóstico precoce da doença, a fim de minimizar os riscos de transmissão para o bebê.