Com alívio, leitos da Ilha de São Luís atendem pacientes de outras cidades

Os efeitos do lockdown na Ilha de São Luís continuam a ser sentidos na prática, incluindo o alívio na ocupação de leitos exclusivos para coronavírus na capital.

Atualmente, há uma sobra de leitos clínicos na Grande São Luís para Covid-19. E os leitos de UTI têm recebido pacientes de outros municípios.

De acordo com o boletim da Secretaria de Estado da Saúde, 88% dos leitos de UTI estão ocupados na capital. “Grande parte desses pacientes já não é oriunda da Ilha de São Luís e, sim, de outras cidades do Maranhão que estão sendo transportados pelas prefeituras ou pelo Governo do Estado para atendimento na Ilha de São Luís”, afirmou o governador Flávio Dino.

Já nos leitos de enfermaria, a ocupação está na casa dos 25%. “Esse é um indicador objetivo, indiscutível, de que temos declínio de casos de coronavírus, porque chegamos a ter ocupação de 70% nos leitos clínicos. Hoje é de 25% mostrando que estamos, portanto, caminhando na direção certa”, acrescentou Flávio.

O governador lembrou que há leitos livres também nas redes municipais e privadas, mostrando que de fato há um declínio de casos na Ilha, em termos relativos, no que se refere à demanda sobre a rede.

Hoje, há 240 leitos de UTI e 752 de enfermaria na Grande Ilha, totalizando 992. Esse número só foi possível graças à ampliação das unidades já existentes e à abertura de novos espaços, como o HCI, o Hospital Genésio Rêgo, o Doutor Raimundo Lima e o Hospital de Campanha de São Luís.

Outras cidades

A contínua abertura de leitos também tem evitado o colapso no atendimento em outras regiões do Estado. Em Imperatriz, a taxa de ocupação para leitos de UTI e enfermaria está perto dos 80%.

Na média dos demais municípios, a ocupação é abaixo dos 80% para os dois tipos de leitos.