Assistência Social e Saúde traçam estratégias para qualificar atendimento das pessoas em unidades de acolhimento em São Luís

A Prefeitura de São Luís, por meio das Secretarias Municipais da Criança e Assistência Social (Semcas) e Saúde (Semus), debateu na última sexta-feira (29), estratégias para qualificar o atendimento das pessoas acolhidas na capital. O público prioritário é composto por idosos e pessoas com deficiência. A reunião contou, também, com a participação da Rede Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa no Maranhão (Renadi/MA).

“Saímos daqui com a esperança de que essas duas políticas públicas trabalharão conjuntamente a partir de agora. Devido à natureza da Assistência Social, quanto a necessidade de realizar acolhimento de públicos específicos em situação de vulnerabilidade social, é fundamental essa parceria de forma clara, objetiva e articulada. Nós temos muitas demandas que exigem a cooperação da rede de Saúde”, explicou a secretária da Semcas, Rosângela Bertoldo.

Nessa primeira reunião, o foco principal do debate foi a construção de estratégias para qualificar o atendimento a esses públicos residentes nas Unidades de Acolhimento, como Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs) e Residência Inclusiva para Pessoa com Deficiência, que necessitam de um olhar específico da Saúde. Parte desse público precisa, inicialmente, passar por unidades terapêuticas para fazer tratamento de saúde mental, antes de irem para as ILPIs e Residência Inclusiva.

Outro ponto estabelecido foi a criação protocolos e fluxos para trabalho conjunto e a visita periódica de profissional de psiquiatria nas unidades.

O secretário de Saúde, Joel Nunes, deixou claro que os planos de ação das demandas apresentadas serão alinhados conjuntamente. Entre eles, estão os Protocolos de Procedimentos para Contenção Físico ou Químico para pessoas que apresentam quadro de inquietação e possível agitação psicomotora. “Nós já iniciamos as propostas dos protocolos citados e será uma prática de gestão debater isso com os representantes da rede. Assim, podemos ter um feedback e tornarmos esses planos mais assertivos”, declarou o gestor da Semus, Joel Nunes.

De acordo com o presidente da Rede Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa no Maranhão (Renadi/MA), Glécio Sandro Silva, São Luís possui hoje cerca de 130 mil idosos e é necessário e urgente qualificar o atendimento na rede de Saúde, principalmente na atenção básica, pois melhorando essa assistência, as despesas e dificuldades encontradas serão melhores e custarão mais barato. O representante da Renadi/MA recomendou que toda comunicação com a população idosa seja feita de forma bem clara e detalhada para evitar ruídos.

“O encontro foi muito bom, porque a atual gestão já está trabalhando na construção desses processos. Mais cedo, houve uma reunião do secretário com a coordenação do Centro de Atenção Integral à Saúde do Idoso (Caisi) e já percebemos uma atenção mais específica a esse público.  Temos a certeza que os idosos serão bem acompanhados, terão medicação e suporte necessários de psiquiatra, isso é fundamental para um acolhimento humanizado”, disse Glécio Sandro Silva.

Participaram também do encontro, a secretária adjunta de Proteção Social da Semcas, Ascenção Rocha, e a superintendente de Assistência a Rede de Saúde, Mágila Izabel dos Santos.

Diferença entre Residência Terapêutica e Unidade de Acolhimento Institucional

O Serviço Residencial Terapêutico (SRT), ofertado na unidade Residência Terapêutica, consiste na garantia de espaços constituídos para responder às necessidades de moradia de pessoas com transtornos mentais graves, institucionalizadas ou não.

Já as Unidades de Acolhimento Institucional são equipamentos da rede socioassistencial pública e privada que buscam assegurar a proteção integral a indivíduos ou famílias que se encontrem em situação de abandono, ameaça ou violação de direitos e que estejam afastados temporariamente de seu núcleo familiar ou comunitário de origem.