.

Vereador Octávio Soeiro alerta a população sobre câncer de boca no Maio Vermelho

Neste mês é realizada a campanha “Maio Vermelho” com a finalidade de informar a população sobre o câncer de boca e conscientizá-la acerca das medidas de prevenção da doença. O cirurgião-dentista e vereador Octávio Soeiro (Podemos), explicou que a campanha é relevante para a população, pois pauta na sociedade um debate sobre a doença e suas formas de prevenção.

“É sempre importante a prevenção. Eu sempre digo que é muito mais simples prevenir do que tratar. O Maio Vermelho é importante porque possibilita que a população obtenha informação sobre o câncer bucal, especialmente sobre prevenção dele”, assinalou o vereador Octávio Soeiro.

O parlamentar ainda informou que os fumantes têm risco maior de serem acometidos pelo câncer de boca, e também fez um alerta à população. Octávio Soeiro afirmou que ulcerações bucais e feridas ulcerativas na região de mucosa bucal são sinais característicos de câncer bucal, daí a importância dos cuidados para que elas não sejam identificadas apenas como aftas ou quaisquer outras patologias.

“O câncer bucal tem sinais característicos e é necessário fazer a biópsia para a definição do caso. O diagnóstico necessita ser preciso e, logo após, o paciente deve ser encaminhado para o especialista da área para realizar o tratamento necessário de combate a esta doença que é de uma realidade próxima à nossa”, destacou o vereador.

Incidência
O câncer de boca é o quinto tipo com maior incidência no mundo. No Brasil, ocupa a quinta posição entre os homens e a sétima entre as mulheres. Para 2020, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) estimou a ocorrência de mais de 15 mil casos novos de câncer bucal no Brasil.
Dados do mesmo órgão mostram que a taxa bruta de incidência estimada para 2020 de novos casos de câncer na cavidade oral por 100 mil habitantes no Maranhão foi de 2,87 para homens e de 1,82 para mulheres. Já quando se leva em consideração apenas a cidade de São Luís, a taxa aumentou e passou a ser de 5,57 para homens e de 2,53 para as mulheres.

A doença
O câncer de boca também é conhecido como câncer de lábio e cavidade oral. Segundo o Inca, é um tumor maligno que afeta lábios, estruturas da boca (como gengivas, bochechas, céu da boca), língua (principalmente as bordas) e a região embaixo da língua. A parte posterior da língua, as amígdalas e o palato fibroso integram a região chamada de orofaringe e os tumores localizados nela têm comportamento diferente do câncer de cavidade oral.

Assim como as demais neoplasias malignas, o diagnóstico precoce do câncer bucal é determinante, pois, conforme informa o Inca no site institucional, “apesar dos avanços nas formas de tratamento (cirurgia, radioterapia e quimioterapia), a taxa de sobrevivência de 5 anos não evoluiu ao longo das últimas décadas e permanece em cerca de 50-55%”.

Os principais sintomas do câncer de boca são o surgimento de machucados, como úlceras que demoram a cicatrizar, manchas brancas ou avermelhadas, sangramentos, inchaço e dormência em alguma área, além de rouquidão. O Inca esclarece que a doença pode ser silenciosa nas primeiras etapas e que nas fases mais avançadas a doença pode causar mau hálito, dores na região, dificuldade para falar e engolir, além do desenvolvimento de caroços no pescoço e perda de peso.

O principal fator de risco para o câncer de boca é o consumo de tabaco em qualquer uma das formas existentes. Ingestão frequente de bebidas alcoólicas, exposição à radiação ultravioleta sem proteção e contágio por papilomavírus humano (HPV) também são fatores de risco para a doença. A exposição a algumas substâncias às quais são submetidos trabalhadores da construção civil e da indústria também pode desenvolver o câncer de boca.

No site do Inca a há informação de que a forma mais eficaz de prevenção ao câncer de boca é evitar os fatores de risco explicitados acima e manter hábitos alimentares saudáveis. Segundo o órgão, o principal método de diagnóstico da doença é o exame clínico visual, sendo recomendado o autoexame como uma medida para a descoberta precoce da doença. Ao surgimento de algum sinal, é recomendado marcar consulta com cirurgião-dentista para avaliação. A orientação se dá porque se a doença for diagnosticada logo no início, as chances do câncer de boca causar sequelas maiores após o tratamento são menores. Já se a descoberta de um tumor maligno na boca for tardia, pode comprometer a fala, a mastigação, a deglutição e a estética da face.

A confirmação do câncer bucal se dá por meio de biópsia da lesão. O tratamento normalmente é feito por meio de procedimento cirúrgico que pode ser associado a sessões de radioterapia e quimioterapia. Além da retirada do tumor, é feito um tratamento multiprofissional para a recuperação do paciente.