Suzano apoia ações de combate ao COVID-19 no MA

A Suzano, referência global na produção de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, em sua busca constante por formas de promover o bem-estar social, vem, desde o início da pandemia, realizando diversas ações no estado do Maranhão para o mitigar o impacto do novo coronavírus. Além da distribuição de 22 respiradores e 60 mil máscaras hospitalares importados da China, e da doação de mais de 43 mil litros de álcool 70%, fardos de papel higiênico e fraldas descartáveis, a companhia ainda apoiou outras iniciativas na região. Os respiradores e máscaras doados pela empresa já estão atendendo as redes de saúde da capital do Estado, onde a pandemia afeta um grande número de pessoas, e também das regiões de atuação da companhia.

A empresa comprou ainda mais de 20 mil máscaras de tecido, produzidas por artesãs de projetos sociais apoiados pela companhia nas comunidades locais, para distribuição entre seus colaboradores e envolveu pelo menos 35 costureiras. Além da produção de máscaras de tecido para doação, a Suzano Unidade Imperatriz, também apoiou agricultores familiares beneficiados pelos projetos sociais na produção e comercialização de cestas de alimentos delivery por meio da iniciativa “A Feira Vai até Você”.

“Estamos enfrentando uma situação inédita como sociedade moderna e sabemos que a disponibilidade de respiradores e equipamentos de proteção é fundamental para salvar a vida de milhares de brasileiros. Por isso, devemos unir forças para vencer essa batalha contra o COVID-19”, afirma o presidente da Suzano, Walter Schalka.

Ao todo, a empresa destinará 159 respiradores e 1 milhão de máscaras hospitalares importados para o Governo Federal e sete estados da Federação (São Paulo, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Pará e Paraná). A distribuição está sendo realizada em conjunto com os governos e inclui regiões onde a companhia atua, levando em consideração a identificação de necessidade de cada estado e município e a estratégia de combate ao COVID-19 estabelecida pelas autoridades de saúde.

“A alta demanda global por respiradores, máscaras hospitalares e outros itens médicos foi um grande desafio a ser superado para conseguirmos importar os produtos e doá-los aqui no Brasil para o combate ao COVID-19. Também seguimos com tratativas permanentes com os governos federal, estaduais e municipais para definirmos a melhor estratégia de distribuição e atendimento aos locais onde os equipamentos são mais necessários”, afirma o diretor executivo de Relações e Gestão Legal, Pablo Machado.

Adicionalmente aos ventiladores pulmonares e máscaras importados da China, a Suzano também integra um grupo de empresas que viabilizará a ampliação de capacidade de produção de respiradores no Brasil. A iniciativa prevê a entrega ao Governo Federal de 6,5 mil respiradores até agosto de 2020 e conta com recursos financeiros da Suzano, além de expertise e profissionais da empresa.

Desde o final de março, a companhia também já realizou a doação de papéis higiênicos, guardanapos e fraldas de fabricação própria para diversos estados brasileiros. Em paralelo, a Suzano tem empreendido todos os esforços para seguir operando, com foco na segurança e saúde de seus colaboradores, e dessa forma garantir o abastecimento de produtos essenciais no mercado. A companhia fabrica matérias-primas usadas na confecção de papéis sanitários, máscaras, fraldas, papéis, embalagens de medicamentos e alimentos, embalagens em geral, itens ainda mais indispensáveis nesse momento de isolamento social e de necessidade de maiores cuidados com a higiene.

Apoio aos colaboradores

A Suzano acompanha atentamente a situação do COVID-19 no Brasil e, internamente, também tem adotado um conjunto de medidas operacionais e administrativas. A empresa decidiu suspender todas as atividades operacionais não essenciais de colaboradores próprios e terceiros e cancelar viagens, eventos, visitas às unidades e reuniões presenciais. Os colaboradores que não necessitam estar presencialmente nas unidades para a continuidade das operações passaram a trabalhar em formato home office. O mesmo tratamento foi dado a todos os colaboradores com 60 anos ou mais e todos aqueles que apresentem condição de risco, como hipertensos, diabéticos ou que tenham doenças pulmonares.

Para os colaboradores cuja presença é indispensável nas operações, a companhia adotou como ações prioritárias, por exemplo, a medição de temperatura corporal dos trabalhadores antes do acesso a fábricas, ônibus ou viveiros; a distribuição de refeições individuais e espaçamento maior entre mesas e cadeiras nos refeitórios; a adoção de maior distanciamento de cadeiras em salas de controle operacionais, com sinalização visual no local; a limitação a 50% no número de colaboradores transportados nos veículos da empresa; o aumento da frequência de limpeza e higienização de áreas comuns; a disponibilização de máscaras aos colaboradores que estiverem na Unidades; e a adoção de quarentena caso haja identificação de colaborador ou prestador de serviço com risco de contaminação. Todas essas ações são acompanhadas por um frequente compartilhamento de informações em todos os canais de comunicação da empresa.

SOBRE A SUZANO

A Suzano, empresa resultante da fusão entre a Suzano Papel e Celulose e a Fibria, tem o compromisso de ser referência global no uso sustentável de recursos naturais. Líder mundial na fabricação de celulose de eucalipto e uma das maiores fabricantes de papéis da América Latina, a companhia exporta para mais de 80 países e, a partir de seus produtos, está presente na vida de mais de 2 bilhões de pessoas. Com operações de dez fábricas, além da joint operation Veracel, possui capacidade instalada de 10,9 milhões de toneladas de celulose de mercado e 1,4 milhão de toneladas de papéis por ano. A Suzano tem mais de 35 mil colaboradores diretos e indiretos e investe há mais de 90 anos em soluções inovadoras a partir do plantio de eucalipto, as quais permitam a substituição de matérias-primas de origem fóssil por fontes de origem renovável. A companhia possui os mais elevados níveis de Governança Corporativa da B3, no Brasil, e da New York Stock Exchange (NYSE), nos Estados Unidos, mercados onde suas ações são negociadas.