Projeto Cinema nas Enfermarias volta a ser realizado no Hospital de Câncer do Maranhão

“Quando eu assisto um filme, esqueço que estou em um quarto de hospital; me sinto até mais perto de casa. Eu distraio minha mente, não penso em coisas ruins e paro de chorar”, conta a paciente Patrícia Ferreira Pereira, 26 anos, natural do município de Presidente Sarney. Ela está há cerca de um mês internada no Hospital de Câncer em tratamento contra a leucemia e é uma das pacientes que participam do Projeto Cinema nas Enfermarias, que pode ser retomado com o recuo da pandemia na Ilha de São Luís.

De acordo com Gustavo Arouche, coordenador do Projeto Cinema nas Enfermarias, a iniciativa, que conta com o apoio do serviço multiprofissional do Hospital de Câncer, tinha sido suspensa por conta da pandemia, mas agora retorna obedecendo as medidas restritivas de distanciamento, exibindo filmes reflexivos aos pacientes sobre o enfrentamento à doença e a aceitação da terapia proposta.

“O Cinema nas Enfermarias é apenas um dos projetos que realizamos aqui no Hospital do Câncer, ele já vinha sendo realizado há cerca de um ano e agora será ampliado para todo os setores do hospital”, destaca o coordenador.

O projeto acontece uma vez por semana, sempre respeitando um cronograma elaborado mensalmente, de acordo com as informações coletadas pelos terapeutas ocupacionais da unidade.

A diretora geral do Hospital de Câncer, Ana Flávia Lustosa, explica que as atividades lúdicas oferecidas na unidade têm o objetivo de manter a humanização e a assistência, pois alcançam os pacientes crônicos que necessitam de muito tempo de internação.

“Assim como o Cinema nas Enfermarias, oferecemos outros projetos como pintura e demais atividades laborais, sempre com a finalidade de manter a humanização e fazer com que esse paciente se sinta melhor, até mesmo em relação à aceitação do tratamento”, ressalta a diretora.

O Cinema nas Enfermarias tem favorecido na diminuição dos impactos da hospitalização, minimizando o estresse e tornando o ambiente de internação mais humanizado. O projeto atende de forma igualitária todos os pacientes que dão entrada no tratamento oncológico na enfermaria. 

São adolescentes, idosos e adultos, como dona Maria da Natividade de 59 anos, que veio da cidade de Urbano Santos para tratar um câncer de estômago e está participando pela primeira vez da iniciativa. “Estou achando muito bom. Como não posso ficar me movimentando, assistindo ao filme posso me divertir, me distrair e o tempo passa mais rápido”, comenta a paciente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.