.

População lota arquibancadas nos desfiles dos Blocos Tradicionais do Grupo A, na Passarela do Samba

O segundo dia de programação da Passarela do Samba Chico Coimbra (Anel Viário), neste sábado (18), foi marcado por um desfile de fantasias ricamente elaboradas e brincantes apaixonados, cantando e dançando as letras dos sambas-tema dos Blocos Tradicionais que integram o Grupo A. O “Carnaval de São Luís – Tem folia na Ilha”, promovido pela Prefeitura de São Luís vai até a segunda-feira (20), começando às 19h. A entrada é gratuita e os ingressos podem ser retirados no local, a partir das 17h. Quem não puder acompanhar os desfiles de forma presencial, poderá assistir tudo pela internet, em transmissão inédita, no Youtube da Prefeitura.

“A nossa gestão valoriza a cultura e as tradições do nosso Carnaval. A Passarela do Samba está linda em mais uma noite, mostrando ao mundo a grandiosidade, a diversidade e o espetáculo do desfile dos nossos blocos tradicionais e das escolas de samba de São Luís”, destacou a vice-prefeita Esmenia Miranda.

O bloco tradicional da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) iniciou os desfiles da noite, com participação especial na Passarela. O grupo foi criado em 1996, no Outeiro da Cruz, trouxe como samba-tema “50 anos da Escola Emey Santana” e não concorre na categoria.

Com o samba-tema “Do lixo ao luxo, sou gari, rei dessa folia”, o bloco Os Imbatíveis entrou na avenida, como o primeiro a se apresentar do Grupo A, com uma fantasia laranja, com chapéu bufante e o contratempo com sinalização de lata de lixo. Os homenageados da noite, os garis, acompanharam em pessoa o desfile ao lado dos 60 brincantes. O grupo vem do bairro São Pantaleão e foi fundado em 2019.

“Estamos no segundo dia de desfiles na Passarela do Samba e recebemos com expectativa os blocos tradicionais do Grupo A, que nos abrilhantaram com indumentárias maravilhosas, o entusiasmo dos participantes e deram um show na avenida. Mais uma dia de sucesso de público que prestigiou, vibrou e aplaudiu a nossa rica cultura de São Luís”, disse o secretário de Cultura, Marco Duailibe.

Em seguida, Os Guerreiros do Ritmo entraram na passarela ao som do samba-tema “Salve Mestre Basílio – Um guerreiro da cultura popular”, em uma homenagem ao mestre de bumba meu boi, que desfilou na comissão de frente do bloco. O grupo tem 95 componentes, existe desde 2005 e foi criado na Liberdade.

Outra cria da Liberdade, Os Fanáticos do Ritmo surgiram em 2018, contam com 70 participantes e abordaram o samba-tema “Na batucada dos contratempos, reina a folia de um fanático arlequim que anuncia um novo dia”. Os Indomáveis Show, do bairro Floresta Liberdade, foi fundado em 2018 e tem 130 componentes. O samba-tema desse ano foi “Narciso: da maldição do espelho, a paixão indomável exala o perfume da flor” e a indumentária ricamente detalhada encheu a avenida em tons de amarelo, branco e gradações de verde.

Um show em cores quentes. Assim foi a apresentação do bloco Os Reis da Liberdade, que trouxe uma linda fantasia em referência aos indígenas Kaapor do município maranhense Centro do Guilherme, relativa ao samba-tema “Na terra dos Guilhermes, Axinguirendá, o templo”. O grupo foi criado em 1986, no bairro Liberdade e possui 100 componentes.

“Gaia, um grito de alerta a despertar para a vida” foi o samba-tema escolhido pelo bloco Os Vampiros, natural da Cohab e nascido no ano 2000. Os 95 brincantes usaram adereços em referência à divindade da mitologia grega Gaia, em um mar de penas verde-claro e laranja, e indumentária colorida com direito a capa transparente.

A Madre Deus foi o berço onde nasceu o bloco Príncipe de Roma, em 1982, que conta com 150 integrantes. Com o samba-tema “O Príncipe Trovador anuncia: deu eclipse na passarela”, o grupo inovou com uma fantasia de lobisomem, com direito a olhos vermelhos brilhantes e neblina cenográfica.

“O sangue dos Baratas é quente: é África, é arte, é a luta dessa gente” foi o samba-tema do bloco Os Baratas, que possui 75 participantes e nasceu em 2015, também na Madre Deus. Fundado em 1986, no Anjo da Guarda, o bloco Kambalacho do Ritmo trouxe uma proposta diferente, com o samba-tema “Kambalashow uma nova esperança” e os 100 componentes vestidos de robôs, em tons metálicos.

O bloco Os Feras apresentou na avenida o samba-tema “25 anos de luz, a chama acesa que aquece a vida”, com fantasia colorida e estampa de tigre. A agremiação surgiu em 1996, no Centro e tem 130 componentes. Do São Cristóvão vem o bloco Tropicais do Ritmo, que tem 100 brincantes e foi criado em 2005. O samba-tema deste ano foi “Tropicais em saudação: Donana, a rainha do Maranhão”.

Já “Os Apaixonados” existe desde 2009, vem do Cohatrac e agitou o público com o samba-tema “Prepara a terra com carinho, regando-a com devoção. Em tempos de incertezas, Apaixonados seguem em oração!” Os 150 integrantes vestiram uma fantasia multicolorida, com referência ao arco-íris e a letra da música falava sobre esperança.

Sob o samba-tema “O Baile dos Foliões: de volta aos antigos carnavais”, o bloco Os Foliões entrou na passarela com duas indumentárias diferentes. Uma com gradações de rosa e máscaras, e outra com a figura do arlequim, ambas ricamente elaboradas. Criado no Centro, em 1976, o grupo conta com 95 foliões.

O bairro do Goiabal é o berço do bloco Originais do Ritmo, criado em 1972. O samba-tema “Exú, senhor dos caminhos e das encruzilhadas” trouxe os 90 componentes vestidos em vermelho e preto marcantes, com chapéu e capa, fazendo uma bonita composição. “Um lindo capricho vem lá do Bom Jesus” foi o samba-tema do bloco Vinagreira Show, que fez uma homenagem às festas juninas, trazendo para a avenida as figuras do caboclo de fita, bumba boi, Catirina e Pai Francisco. O grupo tem 90 integrantes e foi fundado em 1991, no bairro Canto da Fabril. 

Com fantasias dignas de reis e rainhas de tribos africanas, o bloco Os Tremendões encantou o público ao som do samba-tema “Akomabu: a pérola negra do meu Carnaval”, uma homenagem ao bloco afro homônimo. Criado na Camboa, em 1967, Os Tremendões tem 140 componentes. “Hórus, o Deus Falcão” foi o samba-tema escolhido pelo bloco Os Brasinhas, que encerrou a noite de desfiles com seus 80 brincantes vestidos com penas e adereços em tons amarelos e azuis, simbolizando a ave. O grupo surgiu em 1977, na Madre Deus. O bloco tradicional Os Diplomáticos não compareceu.

            O “Carnaval de São Luís – Tem folia na Ilha” é realizado pela Prefeitura de São luís, por meio da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), em parceria com as secretarias municipais de Trânsito e Transporte (SMTT), de Segurança com Cidadania (Semusc), de Saúde (Semus), de Meio Ambiente (Semmam), de Comunicação (Secom) e de Turismo (Setur), e Agência Municipal de Desenvolvimento Econômico e Social (Amdes).

Transmissão ao Vivo

Este ano, o Carnaval da Passarela do Samba Chico Coimbra veio com novidades. Uma delas é a transmissão, ao vivo, da programação, pelo YouTube da Prefeitura de São Luís (veja abaixo). Instalados em uma cabine localizada na área dos camarotes, os apresentadores Jéssica Lima e Yago Brandão levam aos telespectadores as informações sobre os desfiles, recebem entrevistados e fazem um divertido bate-bola com os comentaristas Joel Jacintho e Tedd Mac, posicionados na avenida.

Programação Passarela do Samba Chico Coimbra

Domingo, dia 19 – DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA

19h – Turma do Samba Fuzileiros da Fuzarca

19h – Ritmistas de São José de Ribamar, 19h45

21h – Túnel do Sacavém

22h – Terrestre do Samba

23h – Marambaia

00h30 – Favela do Samba

01h40 – Turma do Quinto

Segunda-feira, dia 20 – DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA

19h – Alegoria de Rua Corso da Melhor Idade da Madre Deus

19h30 – Turma do Samba Ritmistas da Madre Deus

21h – Unidos de Fátima

22h10 – Mocidade Independente da Ilha

23h20 – Império Serrano

00h30 – Turma de Mangueira

01h40 – Flor do Samba