Marca do governo Flávio Dino, Maranhão segue investindo na Educação acima do piso constitucional

O Governo do Maranhão segue investindo na Educação acima do piso orçamentário. A Constituição Federal determina que os estados precisam injetar 25% da receita nessa área. O governo estadual, porém, desde 2015 ultrapassa este valor. Em 2021, mesmo com a pandemia, serão 28,56%, equivalente a R$ 3,7 bilhões, resultando no acréscimo de 1% em relação ao ano anterior.

De acordo com Felipe Camarão, secretário da Educação, muitos governantes possuem dificuldade de chegar ao piso imposto pela lei. “Essa é uma demonstração clara e cabal da prioridade que o governador Flávio Dino dá para a educação maranhense. Ele sempre faz questão de aportar mais recursos do que a legislação determina para priorizar o programa escola digna, reformando e revitalizando escolas, investindo na formação e na qualificação dos nossos professores, valorizando nossos professores. Hoje pagamos o melhor salário do Brasil”, afirma.

De fato, os professores maranhenses recebem o maior salário do país. São R$ 6.358,96 para docentes com carga horária de 40 horas semanais. Para efeito de comparação, o estado de São Paulo paga R$ 2.886,24 aos professores com a mesma jornada.

“O governador Flávio Dino sempre investiu na educação porque ele sabe que esse é o caminho para o desenvolvimento do Maranhão, garantindo oportunidades. É importante destacar que estes investimentos vão desde o ensino fundamental, até o ensino médio e superior, com a criação de universidades, implementação de escolas de ensino integral, e o maior número de bolsas de pós-graduação da história”, completou Camarão.

Comentários

0 Comentárioshttps://www.facebook.com/v2.3/plugins/comments.php?app_id=&channel=https%3A%2F%2Fstaticxx.facebook.com%2Fx%2Fconnect%2Fxd_arbiter%2F%3Fversion%3D46%23cb%3Df11d0e4e00999a%26domain%3Dwww.ma.gov.br%26origin%3Dhttps%253A%252F%252Fwww.ma.gov.br%252Ff2e48d045da36c4%26relation%3Dparent.parent&color_scheme=light&container_width=750&height=100&href=https%3A%2F%2Fwww.ma.gov.br%2Fagenciadenoticias%2F%3Fp%3D301040&locale=pt_BR&numposts=5&sdk=joey&version=v2.3&width=


Leia mais notícias em Agência Maranhão de Notícias e siga nossas páginas no Facebook Twitter e Instagram. Envie informações à Agência Maranhão de Notícias pelo e-mail agencia.secap@ma.gov.br.

TAGS EDUCAÇÃOFELIPE CAMARÃOGOVERNO DO MARANHÃOINVESTIMENTOS NA EDUCAÇÃOPISO CONSTITUCIONALSEDUCARTIGO ANTERIORENSINO REMOTO: GOVERNO INVESTE EM TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS PARA MANTER APRENDIZAGEM DE ESTUDANTES NA PANDEMIAPRÓXIMO ARTIGOGOVERNO DO ESTADO REFORÇA EDUCAÇÃO EM CIDADES MARANHENSES COM ENTREGA DE ÔNIBUS ESCOLARES

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

O Governo do Maranhão segue investindo na Educação acima do piso orçamentário. A Constituição Federal determina que os estados precisam injetar 25% da receita nessa área. O governo estadual, porém, desde 2015 ultrapassa este valor. Em 2021, mesmo com a pandemia, serão 28,56%, equivalente a R$ 3,7 bilhões, resultando no acréscimo de 1% em relação ao ano anterior.

De acordo com Felipe Camarão, secretário da Educação, muitos governantes possuem dificuldade de chegar ao piso imposto pela lei. “Essa é uma demonstração clara e cabal da prioridade que o governador Flávio Dino dá para a educação maranhense. Ele sempre faz questão de aportar mais recursos do que a legislação determina para priorizar o programa escola digna, reformando e revitalizando escolas, investindo na formação e na qualificação dos nossos professores, valorizando nossos professores. Hoje pagamos o melhor salário do Brasil”, afirma.

De fato, os professores maranhenses recebem o maior salário do país. São R$ 6.358,96 para docentes com carga horária de 40 horas semanais. Para efeito de comparação, o estado de São Paulo paga R$ 2.886,24 aos professores com a mesma jornada.

“O governador Flávio Dino sempre investiu na educação porque ele sabe que esse é o caminho para o desenvolvimento do Maranhão, garantindo oportunidades. É importante destacar que estes investimentos vão desde o ensino fundamental, até o ensino médio e superior, com a criação de universidades, implementação de escolas de ensino integral, e o maior número de bolsas de pós-graduação da história”, completou Camarão.