.

Dinamarca visita o Maranhão para conhecer projetos socioambientais em torno da produção agropecuária no Estado.

Representantes da Embaixada Real da Dinamarca foram recebidos, na tarde de quinta-feira (2), por representantes do Governo do Maranhão a fim de conhecer projetos socioambientais desenvolvidos no Estado, especificamente para produção de soja e milho.

A visita ao Maranhão foi um pedido realizado pela própria Agência Dinamarquesa de Cooperação e Desenvolvimento (DANIDA), que está buscando parcerias em diversos estados brasileiros para implementação do seu projeto “Parceria para a Soja Sustentável”.

A Dinamarca é um dos maiores produtores e exportadores de carne suína do mundo. Com plantel de 12 milhões de animais, o país produz cerca de 2,5 milhões de toneladas de carne por ano e exporta 85% desse total, cerca de 2 milhões de toneladas por ano.

Anna Calender, representante da embaixada Real da Dinamarca, explicou melhor o objetivo da visita ao Maranhão. “A principal matéria-prima utilizada na ração para esses animais é o farelo de soja do Brasil e Argentina, motivo pelo qual a Dinamarca busca parcerias com estados brasileiros produtores desse grão em conformidade socioambiental, não oriundos de mata com desmatamento, de terra indígena ou quilombola”, destacou.

O Maranhão possui um sistema de rastreamento da produção de soja e milho por meio de imagens de satélite e inteligência artificial que faz o monitoramento das áreas agricultadas dos referidos grãos no estado. Trata-se do Sistema de Fiscalização e Monitoramento do Agronegócio (SIFMA), projeto desenvolvido pela Sefaz, com financiamento pelo Banco Interamericano (BID), via PROFISCO II.

O auditor fiscal e coordenador do SIFMA, Gustavo Victorio, destacou que com o SIFMA é possível verificar e estimar a produção da soja e milho do território maranhense. “Verificando a área e onde estão sendo plantadas, podendo cruzar dados com áreas indígenas e quilombolas, tudo isso trazendo uma confiabilidade para produção no Estado”, explicou. 

Outras parcerias

A Embaixada Real da Dinamarca também apresentou outras parcerias que têm sido realizadas com o mesmo objetivo, especialmente com a cooperação alemã da Agência de Cooperação Técnica (GIZ), que está em processo de consolidação da cooperação com o Governo do Maranhão para a construção de agenda convergente na promoção de uma economia baseada em princípios sustentáveis e inclusivos.

O secretário de Estado Fazenda, Marcellus Alves, conduziu a reunião que contou com a presença dos secretários de Estado de Desenvolvimento Econômico e Programas Estratégicos (Sedepe), José Reinaldo Tavares; e o de Indústria e Comércio (Seinc), Cassiano Júnior; do presidente da Maranhão Parceria (MAPA), Antonio Nunes; da secretária adjunta da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), Oquerlina Costa; e da secretária adjunta da Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop), Regiane Maciel. 

Na oportunidade, a Sedepe e a SEMA também apresentaram à Embaixada Real da Dinamarca projetos estratégicos de geração de crédito de carbono desenvolvidos no Estado cm possibilidades de investimento.

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Programas Estratégicos, José Reinaldo, disse que o Maranhão tem muito potencial tanto na produção de grãos quanto no desenvolvimento de projetos sustentáveis. “Isso mostra que o Estado está cada vez mais atento ao alinhamento da produção sustentável”.

Para o secretário Cassiano Pereira Junior, as boas práticas voltadas para a sustentabilidade ambiental do setor agropecuário que já são utilizadas em outros países, como o apresentado pela equipe da Dinamarca, devem ser replicadas ao Maranhão. 

“É uma tendência mundial conciliar produção às boas práticas, como a baixa emissão de gases de efeito estufa, investimentos em bionergia e em um processo produtivo descarbonizante. Na cadeia da soja, por exemplo, o Maranhão já avançou bastante nessas boas práticas, mas aplicar projetos que já deram certo em outros países vai fortalecer ainda mais a produção com responsabilidade ambiental e social”, disse o secretário.

A secretária adjunta de Recursos Ambientais da SEMA, Oquerlina Costa, disse que o estado do Maranhão possui alta aptidão agrícola e pecuária. “Para garantir a sustentabilidade em todas as etapas da cadeia produtiva é de grande valia aproveitarmos essa oportunidade de investimentos, além de realizar um planejamento das ações envolvendo todos os intervenientes da cadeia produtiva. A SEMA está aberta para continuar o diálogo com os representantes da Agência Dinamarquesa de Cooperação e Desenvolvimento e iniciar as parcerias que irão beneficiar todo o estado”, ressaltou.

A secretária adjunta de Promoção do IDH da Sedihpop, Regiane Maciel, também expressou a importância da produção sustentável. “Iniciativas como essas que visam a produção sustentável da soja são muito bem-vindas, pois a medida em que se investe em uma produção, que respeita a legislação, o meio ambiente e as comunidades tradicionais, é possível assegurar o aumento da produtividade nas áreas já estabelecidas, evitando o avanço do agronegócio em territórios onde as comunidades vivem”.

O secretário Marcellus Alves afirmou a total disponibilidade da Sefaz e do Estado do Maranhão em esclarecer todas as dúvidas da Dinamarca e alinhar estrategicamente tudo que for necessário para que a parceria seja formalizada e efetivada. 

“Nosso principal compromisso é fazer com a Secretaria de Fazenda esteja sempre aberta ao diálogo sem burocracias e dificuldade. Acreditamos que o SIFMA é um sistema capaz de atender perfeitamente às necessidades da Dinamarca para controle da aquisição de soja e milho em conformidade socioambiental”, afirmou o secretário.