.

Como aproveitar as férias sem se endividar

Aos 70 anos de idade e ainda trabalhando, o fotojornalista Antônio Melo só tira férias em julho. O motivo é para que o período de descanso dele coincida com as férias escolares dos filhos e, desta forma, a família possa viajar junta. Organizado com as finanças, ele não pega estrada sem antes fechar uma planilha com as metas de quanto poderá gastar e como irá fazer para pagar as dívidas que virão no mês seguinte (agosto). “Vem a fatura do cartão e o retorno às aulas dos filhos. O material escolar que precisará ser reposto eu comprei ainda em junho, enquanto estava mais barato”, disse.

A preocupação de Melo com a planilha é evitar ao máximo que precise usar o cartão de crédito. “São juros elevados e dependendo do valor e do número de parcelas se torna uma despesa fixa que vai atrapalhar o orçamento dos meses seguintes”, projeta. Este ano, em razão da inflação e preço dos combustíveis, o fotojornalista está curtindo a temporada no sítio dele, em Santo Antônio do Tauá, distante a uma hora e meia de Belém (PA).

Não é errado dizer que Antônio é um exemplo no que se refere ao controle das finanças. Somente o fato de colocar na ponta do lápis todos os gastos e despesas domésticas e planejar o orçamento já faz a diferença na hora de economizar. E isto quem afirma não é ele, e sim especialistas como o professor Reis Rocha, do curso de Ciência Contábeis do Centro Universitário Estácio São Luís.

“O segredo para não ficar apertado financeiramente após as férias é o planejamento. É possível planejar as atividades traçando metas de gastos prevendo quanto você poderá gastar nas férias, lembrando que no mês seguinte seu salário virá com os descontos proporcionais”, frisou Rocha, ao ser questionado sobre como a pessoa pode economizar no período de férias.

Para quem não viaja durante as férias, a preocupação com o orçamento também precisa ser a mesma e a economia precisa incluir também hábitos e comportamentos dentro de casa. Isto porque com a garotada em casa a televisão fica mais tempo ligada, o ventilador e o aparelho de ar-condicionado também e isso consequentemente vai resultar no aumento da conta de energia que virá no mês seguinte. Isto sem deixar de lado os passeios feitos por perto, que incluem lanches e ingressos em áreas de lazer.

“Para minimizar as despesas e sem perder as férias, cada família tem que ter consciência do limite de seus gastos. E isso envolve um processo coletivo de negociação entre todos os membros da família. Evitando as compras por impulso, muita atenção para o uso indiscriminado do cartão de crédito”, atenta Reis. Segundo ele é fundamental que a família – isto inclui os filhos – conheça o valor que dispõem para esse período e decidirem juntos, onde e como vão gastar nas férias.

“É um exercício saudável e necessário: conhecer os limites do orçamento familiar. Mesmo que as reservas signifiquem pouco dinheiro, a família pode, com criatividade, encontrar alternativas de lazer e formas de divertir a todos, especialmente as crianças”, comenta o especialista.

Reis Rocha separou algumas dicas sobre como se organizar financeiramente para as férias, minimizando as dívidas para o mês seguinte. Confira:

– Sempre que for possível, reserve um tempo para listar os lugares que deseja visitar, caso o período de férias seja voltado realmente para viajar;

– Se planeja viajar, defina os períodos de viagem levando em conta as datas mais baratas para voos e hospedagem. Há de convir que almoçar em casa sai mais barato;

– Uma boa opção pode ser a organização de passeios com outras famílias, fazendo rodízio de carros, por exemplo;

– Quem for ao cinema, pode escolher as sessões que tem preço promocional;

– Os jogos e esportes para crianças podem incluir andar de bicicleta, futebol, ler livros e outras atividades que divertem e não custam caro;

– Para quem fica na cidade, uma opção divertida e educativa pode ser as visitas aos museus de São Luís.