CGJ-MA implementa Plano Tático para aprimoramento dos serviços judiciários em Balsas

A Corregedoria-Geral da Justiça do Maranhão (CGJ-MA) realiza esta semana, uma visita estratégica à 2ª vara da comarca de Balsas, com o objetivo de implementar plano tático visando ao aprimoramento da gestão administrativa da unidade, que, após executado, deverá repercutir na melhoria da prestação jurisdicional.

A juíza Sônia Amaral, coordenadora do planejamento estratégico da CGJ-MA, acompanhada de servidores da Coordenaria de Planejamento e Aprimoramento da Justiça de 1° Grau, está discutindo a elaboração do Plano Tático com o juiz titular, Tonny Carvalho Araújo Luz, e servidores dessa unidade.

Dentre outras atividades, a equipe da Corregedoria também vai ser reunir com representantes do Ministério Público, OAB e Defensoria Pública, para identificação de aspectos relacionados aos serviços judiciários a serem trabalhados; apresentação de ferramentas de gestão e, finalmente, confeccionará e validará o plano de ação conjunta para solucionar as deficiências encontradas. 

O plano tático conterá as propostas de mudanças ou acréscimos de rotinas padronizadas, e fluxos processuais, com vistas à movimentação de processos e cumprimento aos comandos e mandados judiciais. Ao final dos trabalhos, será assinado um Termo de Compromisso entre a CGJ-MA e a 2ª vara. 

NAUJ

O trabalho cumpre decisão do corregedor-geral da Justiça, desembargador Paulo Velten, presidente do Núcleo de Apoio às Unidades Judiciais (NAUJ) da CGJ-MA. A visita estratégica será realizada em várias comarcas este ano, identificadas previamente dentre as que estão com problemas de gestão. A primeira visita foi realizada em São João dos Patos, de 28 a 30 de julho. E, depois de Balsas, a comarca de Carolina, no dia 30, também será beneficiada com as ações de planejamento estratégico da CGJ-MA.

O NAUJ tem por objetivo implementar ações de apoio e orientação às unidades judiciais de 1º Grau, por determinação do corregedor-geral da Justiça, com vistas a reduzir o volume de processos, prevenir a formação de acervo, atuar no cumprimento das metas prioritárias estabelecidas pela Corregedoria Geral da Justiça e as metas nacionais monitoradas pelo Conselho Nacional de Justiça, por meio do auxílio aos gabinetes e secretariais do primeiro grau de jurisdição.

Segundo a juíza Sônia Amaral, a confecção do plano tático antecede o mutirão processual realizado pelo NAUJ em auxílio às unidades com dificuldade na solução da demanda. “O NAUJ tem duas propostas: multiplicação da força de trabalho, com mutirões processuais e planejamento estratégico e tático. Quando analisamos que é necessária mais uma ação de gestão do que de mutirão, fazemos uma visita técnica para elaboração do plano tático, com ações, responsáveis e prazos de realização pela unidade. Quando encerramos os trabalhos, assinamos um Termo de compromisso para a execução do que foi estabelecido para melhorar a gestão da unidade”, explicou a juíza.

A elaboração do plano tático segue a Metodologia BSC – Balance Score Card (Indicadores Balanceados de Desempenho), criada na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Essa ferramenta é um instrumento facilitador do direcionamento das ações da organização para a estratégia, que foi adaptada pelo Judiciário Nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.