.

Buriticupu divulga resultados de julgamentos de março

O Poder Judiciário de Buriticupu, por meio da 2ª Vara, divulgou os resultados das sessões do tribunal do júri, realizadas na unidade judicial nos dias 13, 16 e 17 deste mês. Foram julgados Genilson Sousa dos Santos, Maria Nelde Lima Feitosa, Edson Veridiana da Silva e José Francisco Lima. As sessões foram presididas pelo juiz Bruno Barbosa Pinheiro. Na primeira sessão, realizada no dia 13, o réu foi Genilson Sousa dos Santos, acusado de crime de tentativa de feminicídio, tendo como vítima R. P. M., que ainda sofreu violência sexual. Ele foi considerado culpado e recebeu a pena de 10 anos e 4 meses de prisão.

A denúncia narra que, em 31 de julho de 2021, no Povoado Vila Santa Maria, zona rural de Buriticupu, Genilson teria praticado atos libidinosos em face da vítima R. P. Diante da reação da vítima, o homem aplicou-lhe múltiplos golpes de arma branca, tipo facão, que resultaram em incapacidade para as ocupações habituais por mais de 30 dias, perigo de vida e debilidade permanente (amputação de mão direita). 

A polícia foi acionada e após realizar diligências conseguiu localizar e prender o denunciado em outro povoado. Em depoimento junto à autoridade policial, ele confessou a autoria dos golpes de facão, porém, negou a prática dos atos libidinosos sob afirmação de que sua intenção era a de subtrair bens do imóvel da mulher, ou seja, prática de crime contra o patrimônio. 

Na sessão do dia 16, foi julgada Maria Nelde Lima Feitosa. Ela estava sendo acusada de ter praticado crime de homicídio, tendo como vítima Antônio de Menezes Farias, em 24 de julho de 2004, em uma churrascaria às margens da BR 222. Ela foi absolvida. Na última quinta-feira, dia 17, foram duas sessões de julgamento. Na primeira, o réu Edson Veridiana da Silva foi julgado sob acusação de ter matado Maria Domingas de Sousa Pereira, fato ocorrido em 26 de outubro de 2018.

“Submetido a julgamento, o Conselho de Sentença confirmou a autoria e a materialidade do crime de homicídio (…) Quando do quesito obrigatório, não absolveu o acusado, assim como rejeitou a tese de homicídio privilegiado, praticado logo após a injusta provocação da vítima”, destacou a sentença. Ao final, ele foi condenado, recebendo a pena de 9 anos e 8 meses de reclusão.

A última sessão, também realizada no dia 17, trouxe como réu o homem José Francisco Lima, acusado de prática de crime de homicídio simples, que teve como vítima Daniel de Sousa Pinto. Conforme a denúncia, esse crime ocorreu em 28 de agosto de 2013, no Bairro Portelinha, em Buriticupu. Ao final da sessão, ele foi absolvido pelo conselho de sentença. Ele teve a prisão preventiva revogada.