Agronegócio brasileiro cresce e alavanca negócios ligados ao setor

A pandemia do coronavírus afetou a economia de todo o mundo, inclusive do Brasil. Com a necessidade de isolamento e as restrições em algumas atividades para conter a pandemia, os principais setores da economia nacional sofreram impacto. Em 2020, o país teve uma queda de 4,1% no PIB (Produto Interno Bruto), deixando de fazer parte do ranking das 10 maiores economias do mundo, grupo que integrava desde 2006.

Contudo, apesar da crise econômica alguns setores econômicos demostraram bons resultados, como o agronegócio. Segundo com relatório da Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA), no início desse ano, a previsão é de crescimento de 3% no PIB do agronegócio em 2021, enquanto o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) deverá ter aumento de 4,2%. Em 2020, o setor teve um crescimento substancial de 9% no PIB e 17,4% no VBP. Além do acréscimo na produção, o crescimento robusto do ano passado se deve à forte alta no dólar.

Nesse cenário de crescimento do agronegócio, os serviços ligados ao setor também foram impulsionados com o aumento de demandas. Como conta o diretor comercial da empresa Vale das Carretas, Ernani Freitas Júnior, que trabalha com suporte a transportes ligados ao agronegócio e alimentos: “costume dizer que a crise não nos impactou. A nossa área foi considerada como atividade essencial porque damos suporte para o agronegócio e ao transporte de alimentos. Apesar da crise, o agronegócio do Brasil nunca esteve tão em alta e isso nos beneficiou, nossa demanda cresceu”.

 Ele ainda acrescenta que sofreu um leve impacto nos negócios em março do ano passado, período de restrições mais rígidas no Maranhão, mas que isso não afetou de maneira exagerada e que, atualmente, a empresa aumentou o quadro de funcionários. “A gente teve um pouquinho de impacto em março do ano quando, diante de uma medida mais restritiva na qual podíamos funcionar apenas até meio-dia. Mas, depois disso, a gente conseguiu voltar nosso expediente normal e aumentamos nosso quadro de funcionários devidos ao aumento de demanda”, explica Ernani. O diretor do Vale das Carretas frisa que, no momento, a forma que a empresa tem de enfrentar a crise causada pela Covid-19 é alertando os cuidados com prevenção para a equipe, incentivando o uso de máscaras e álcool em gel. “Hoje em dia a forma que a gente tem de encarar a crise é com orientação para os colaboradores. Para que usem máscara, com a adoção de medidas de higienização, usando álcool em gel, que cuidam deles, dos parceiros e suas famílias”, explica.