A qualidade do ar e a presença humana

Ainda existe espaço para respirar. Menor, é claro, quando pensamos no planeta há um século, tempo que o nosso biossistema já apontava problemas à frente. De lá, até hoje, contando com a boa vontade de organismos internacionais, ONGs, entidades de proteção ao meio ambiente, encontros mundiais de debate sobre o clima, empresas comprometidas com a sustentabilidade e alguns governos, temos tratado do assunto com mais profissionalismo, ciência e cooperação global.

É um avanço? A resposta é sim! Se pensarmos que o projeto de metas de desenvolvimento industrial não abordava meio ambiente há até pouco tempo, atualmente isto é inimaginável se se desejar chancelar a produção com o selo de sustentabilidade que será a chave na porta para abrir caminhos em direção a sucesso empresarial. Para se ter uma ideia do tamanho desta realidade, nenhuma atividade econômica está livre das responsabilidades ambientais e daí falamos em desde o pequeno empresário até às multinacionais. É alentador? É. Mas, não é tudo. Precisaremos ser mais atrevidos em mudar de marcha para que efetividades relativas ao ambiente possam se tornar mais céleres. Nosso pulmão, certamente, irá agradecer