Giro de Noticias

Vacinação contra Influenza avança e Maranhão sobe para terceira posição no ranking nacional da campanha

O Maranhão é o terceiro estado que mais aplicou a vacina contra Influenza em 2023. A Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza chegou ao fim nesta quarta-feira (31). Entretanto, a vacinação continua nos estados que ainda possuem estoques do imunizante contra a gripe.  

Com o esforço empregado pelo Governo do Estado em parceria com os 217 municípios, o Maranhão conquistou o terceiro lugar no ranking da nacional de Vacinação contra a Influenza. Ao todo, foram vacinadas 1.816.985 pessoas, o equivalente a 61,13% do público-alvo. Em primeiro lugar ficou o estado Amapá (94,27%), seguido do estado da Paraíba (73,91%). 

“O Governo do Maranhão não tem medido esforços para, junto com os municípios, ampliar a cobertura vacinal no estado. Esse é um resultado que comprova o nosso compromisso em incentivar a população a se vacinar e em reforçar que as vacinas salvam vidas”, reitera o secretário de Estado da Saúde, Tiago Fernandes.

Para ampliar a cobertura vacinal no estado, diversas estratégias foram lançadas, sempre em parceria com os municípios. A Secretaria de Estado da Saúde (SES) também realizou a descentralização dos pontos de aplicação da vacina, disponibilizando as doses em shopping centers, espaços públicos, unidades de saúde, escolas, além de drive-thru e universidades.

Nesta 25ª Campanha de Vacinação contra a Gripe, o Maranhão tem como meta vacinar 2 milhões e 420 mil pessoas, de 18 públicos prioritários. Entre estes, estão as crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade; idosos com 60 anos ou mais; gestantes, puérperas, povos indígenas e outros. 

Além da mobilização contra a Influenza, a SES também alerta a população para a importância da vacinação contra Covid-19. Estão sendo ofertadas as doses monovalentes para quem precisa dar continuidade ao esquema básico, e a Vacina Pfizer Bivalente, aqueles com 18 anos ou mais que já receberam as duas primeiras doses, com intervalo mínimo de quatro meses desde a última dose.