.

Tribunal de Justiça participa do lançamento do Amazônia+21

Representando o presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Lourival Serejo, o desembargador José Gonçalo de Sousa Filho participou na manhã desta quinta-feira (14), da solenidade de lançamento do Instituto Amazônia+21, realizado no Salão Nobre da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA).

O Instituto foi criado para facilitar a criação dos negócios sustentáveis, conectar grandes empresas com empreendedores locais e articular projetos inovadores de grande impacto na região.

Para o desembargador José Gonçalo Filho, a presença de um representante do Tribunal de Justiça do Maranhão reforça a preocupação da Instituição com o meio ambiente. “Enquanto Poder Público, a participação do Judiciário nesse tipo de atividades demonstra a nossa preocupação e atuação perante a temática da sustentabilidade e da preservação ambiental”, observou.

O presidente da Federação das Indústrias do Maranhão (FIEMA), Edilson Baldez, disse que o objetivo principal do Instituto Amazônia+21 é congregar esforços no sentido da defesa da nossa Amazônia Legal, instalando aqui esse órgão que vai trabalhar em prol desse desenvolvimento sustentável.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO) e do Instituto Amazônia +21, Marcelo Thomé disse que o Instituto Amazônia +21 é uma mobilização das Federações das Indústrias dos nove estados da Amazônia Legal. São empresários que conhecem profundamente seus estados, suas realidades, suas demandas e oportunidades na medida em que, a partir de agora, por meio do Instituto, trabalhem juntos. É o primeiro movimento empresarial de dentro da Amazônia que propõe uma agenda de desenvolvimento sustentável para a própria região.

Para ele, é fundamental que os empreendimentos se relacionem de maneira sustentável e harmônica com a floresta gerando negócios, empreendimentos e conservando a floresta.“O propósito do Instituto é fomentar negócios sustentáveis em toda a Amazônia Legal, e na medida que tenhamos negócios sustentáveis teremos melhores empregos, maior renda e conservação da floresta porque a base de todos os nossos projetos, estratégia tanto para desenvolvimento de empreendimentos quanto para atração de investimentos é o reconhecimento da potencialidade econômica do bioma amazônico e transformação disso em negócios”, explicou.

“A indústria se posiciona cada vez mais para uma indústria verde, de baixa emissão, e a natureza do Instituto Amazônia +21 é promover desenvolvimento sustentável em toda a região Amazônica buscando transformar em negócios as potencialidades que a floresta nos dá”, concluiu.