Rúcula: fácil de cultivar, deliciosa na salada

Planta de sabor forte e picante, ela desde sempre compõe uma apetitosa salada. Sua presença condimenta com seu leve toque apimentado. Pode-se também pode fazer um delicioso pesto substituindo o manjericão por rúcula

A rúcula é consumida desde os tempos antigos. A ela foram atribuídas muitas propriedades medicinais e afrodisíacas. Na Idade Média, a rúcula foi dedicada a Priapus, deus da fertilidade. Em função de suas supostas qualidades, seu cultivo foi proibido nos mosteiros e conventos, fazendo com que seu desaparecimento das mesas, em alguns países, acontecesse gradualmente. Atualmente, ela já está de volta com força total.

Bem conhecida pelo seu sabor forte, a rúcula é rica em valor nutritivo. De bordas lisas a recortadas, as folhas grandes e tenras da hortaliça são fonte de vitamina C e ferro. Saiba que a rúcula tem um grande poder antioxidante e, por isso, protege contra o envelhecimento e certas doenças como o câncer. Trata-se de uma hortaliça com boa fonte de fibras e de baixíssima calorias.

A rúcula cresce rapidamente e não ocupa muito espaço. Assim, você pode colocá-la em qualquer lugar da sua horta, em espaços vagos ou entre outros vegetais. Se você deseja respeitar a boa companhia para a rúcula, visando o aumento da produção, experimente alternar fileiras de rúcula com fileiras de beterraba, alface, berinjelas ou até mesmo abobrinhas. Evite semear rúcula ao redor de outras brássicas como repolho, nabo e rabanete.

Para cultivar rúcula em casa é sugerido o uso de jardineiras ou vasos com altura mínima de 20 cm de altura. Você escolherá um local com sol da manhã e o solo deve estar sempre úmido, mas nunca encharcado. Regas diárias, uma vez pela manhã e a outra no final da tarde, são recomendadas, mas o com cuidado para não aplicar muita água, o que favorecerá o surgimento de doenças.

O cultivo de rúcula pode ser feito por propagação por sementes ou plantio de mudas. As sementes podem ser compradas em lojas especializadas em produtos agropecuários ou ainda em cooperativas. É preferível semear as sementes diretamente no vaso ou jardineira para evitar o transplante.

Semeie 3 ou 4 sementes por vaso e mantenha apenas 1 ou 2 plantas. Enterre levemente (1 cm de profundidade) as sementes no solo pressionando com a ponta do dedo. A rúcula se desenvolve melhor entre março e julho, principalmente em locais com temperaturas amenas.

Normalmente as mudas surgem rapidamente e levam menos de uma semana para germinar. No estágio de 2 ou 3 folhas, desbaste para deixar apenas uma planta a cada 5 a 10 cm. A rúcula apresenta bom crescimento entre 15 e 18 graus, pois em faixas com temperaturas mais elevadas suas folhas ficam menores e com textura inadequada. No auge do verão, o cultivo é mais difícil e a rúcula tende a florescer muito rapidamente.

O início da colheita começa entre 6 a 8 semanas após o plantio. Colha as folhas novas sem arrancar os caules, e regue após cada colheita para permitir nova brotação. Evite passar desse prazo, pois a rúcula pode iniciar o período reprodutivo e as folhas ficam mais fibrosas e mais picantes.

Dicas inteligentes

É importante regar regularmente para evitar a formação de flores prematuramente e folhas espinhosas.

A rúcula é muito fácil de crescer, desde que não lhe falte umidade e não seja afetada por falta de rega ou calor extremo em dias de sol no meio do verão.

Não arrancar as raízes da planta, mas apenas cortar as folhas na medida do necessário para provocar um novo crescimento e desfrutá-las por mais tempo.

A Nutrientes para a Vida tem como missão melhorar a percepção da população urbana em relação às funções e os benefícios dos fertilizantes. A NPV possui visão, missão e valores análogos aos da coirmã americana, a Nutrients For Life. Sua principal missão é destacar e informar a população a respeito da relevância dos fertilizantes para o aumento da qualidade e segurança da produção alimentar, colaborando com melhores quantidades de nutrientes nos alimentos e, consequentemente, com uma melhor nutrição e saúde humana.

Valter Casarin é engenheiro agrônomo da iniciativa Nutrientes para a Vida