Procedimento inédito beneficia paciente do Hospital de Câncer do Maranhão

Um procedimento inédito realizado no Hospital de Câncer do Maranhão, na última semana, beneficiou paciente da rede estadual de saúde que faz acompanhamento oncológico na unidade. Trata-se da primeira cirurgia com o paciente acordado para a retirada do tumor que envolve a área da fala. O uso da técnica, disponível nos principais centros oncológicos do mundo, faz parte do conjunto de investimentos que vêm sendo realizados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) na unidade, que é referência para neurocirurgias oncológicas e cirurgia endoscópica na base do crânio.

“O hospital é referência na realização de neurocirurgias oncológicas, onde se utiliza uma técnica avançada, com neuronavegação e monitorização intraoperatória e utiliza da melhor tecnologia. A partir de agora, o nosso usuário do SUS têm acesso à tecnologia utilizada nos melhores centros do mundo e isso nos deixa muito felizes, nos motivando sempre a aperfeiçoar e desenvolver cada vez mais o funcionamento da nossa unidade hospitalar”, destaca a diretora geral do Hospital de Câncer do Maranhão, Ana Carolina Marques.

Segundo o neurocirurgião Luís Fernando, esse tipo de serviço tem um impacto grandioso na vida das pessoas que precisam. “A taxa de ressecção, ou seja, o tanto que você tira desses tumores é fundamental para o prognóstico. Se você não fizer com essa estratégia, ou você vai tirar pouca lesão, com receio de deixar um déficit e você vai ter um prejuízo oncológico ou você pode ser agressivo e deixar o paciente com uma sequela grave, como um déficit de linguagem. Com essa estratégia, conseguimos tirar o máximo possível do tumor ou até todo, minimizando os riscos de deixar uma sequela grave no paciente”, pontuou.

Ainda com a técnica, é possível fazer a monitorização de pacientes da área de controle motor. Rotineiramente, o procedimento é feito no Hospital de Câncer. “Desde 2016, fazemos a monitorização, mas em outras situações, com o paciente dormindo. Com ele acordado foi a primeira vez. Mas esse tipo de ferramenta usamos de rotina”, explicou o médico.

O Hospital de Câncer do Maranhão é administrado pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh). A cirurgia foi acompanhada por uma equipe de cinco médicos: o coordenador do serviço de neurocirurgia, Luís Fernando Silva Júnior; os neurocirurgiões Bráulio Araújo e Thiago Teixeira; a anestesista Ana Célia; e a neurofisiologista clínica Daniela Silva.