Porto do Itaqui leva dois troféus no Prêmio ESG Portuário

Os programas Porto do Futuro e Governança Corporativa e Compliance, do Porto do Itaqui, foram contemplados na primeira edição do Prêmio ESG Portuário, realizado pela Universidade Federal do Maranhão (Ufma), por meio do Laboratório de Pesquisas Labportos. O presidente do Itaqui, Gilberto Lins, recebeu os troféus na solenidade que marcou o encerramento do VI Simpósio de Gestão Portuária, realizada na noite desta terça-feira, 27.

O Porto do Futuro, programa de fomento à inovação e pesquisa acadêmica na área portuária, foi premiado na categoria de melhor projeto social executado por porto público, e o Programa de Governança Corporativa e Compliance foi contemplado na categoria de melhor projeto de governança executado por porto público. “É um prazer muito grande receber esses prêmios, que não são somente do Porto do Itaqui, mas de todo o Complexo Portuário do Maranhão. Agradeço especialmente à nossa equipe, que atua com o compromisso de desenvolver o nosso estado por meio da atividade portuária”, afirmou Gilberto Lins.

Com o objetivo geral de fortalecer e promover a difusão de conhecimento e práticas sobre as questões ambientais, sociais e de governança aplicadas ao setor portuário, o VI Simpósio de Gestão Portuária reuniu autoridades e especialistas do setor em três dias de extensa programação que contou com apresentação de trabalhos científicos, painéis e visitas técnicas ao complexo portuário.

O presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Gilberto Lins, compôs a mesa de abertura ao lado da diretora-presidente Companhia Docas do Estado da Bahia (Codeba), Ana Paula Calhau; do presidente da Associação Brasileira dos Terminais Portuários (ABTP); do diretor-presidente da Associação de Terminais Portuários Privados (ATPP), Murillo Barbosa; do diretor da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), almirante Wilson Lima Filho; e do professor doutor Sérgio Cutrim, organizador do simpósio.

Gilberto Lins ressaltou a importância do debate sobre as boas práticas em ESG. “Apoiamos este evento por acreditar em iniciativas de intercâmbio de experiências em gestão portuária, de acordo com o nosso compromisso de atuar como agente de transformação e de desenvolvimento para o estado do Maranhão com eficiência e integração do porto com a sociedade, fortalecendo a relação porto-cidade”, disse.

A equipe técnica da Emap marcou presença em apresentações de destaque no evento. As gerentes de Inovação, Deborah Baesse, e de Relação com a Comunidade e Responsabilidade Social, Kátia Bezerra, apresentaram o estudo de caso Projeto Manguará, que transformou a realidade de mais de 90 famílias que atuam no comércio de alimentos no Terminal do Cujupe.

O gerente de Logística, Hibernon Marinho, apresentou o case de digitalização das operações portuárias inserindo dados no processo deliberativo do Itaqui, por meio de softwares. Ele integrou o painel “Ciência de dados e tecnologia no setor portuário” ao lado do diretor executivo da Associação Brasileira dos Terminais e Recintos Alfandegados (ABTRA), Angelino Caputo; e do professor Tadeu Gomes Teixeira, pesquisador do Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (Profnit) na Ufma.

Governança responsável

A sigla ESG vem do idioma inglês: “Environmental, Social and Governance“, que em interpretação livre para o português pode ser traduzida como Governança Social e Ambiental (GSA). A sigla ESG foi cunhada em 2004 em uma publicação do Pacto Global em parceria com o Banco Mundial, chamada Who Cares Wins. Os critérios ESG estão totalmente relacionados aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), estabelecidos pelo Pacto Global, iniciativa mundial que envolve a ONU e várias entidades internacionais.