.

Políticas públicas de prevenção e tratamento da Aids são tema de Painel nesta sexta, 17

Discutir a ampliação de políticas para tornar mais eficiente o tratamento e a prevenção, além de garantir os direitos das pessoas portadoras de Aids na capital. Esse é o foco do painel ’40 anos de Aids: resposta de todos nós’, que será realizado na Câmara Municipal de São Luís, a partir das 10h, nesta sexta-feira (17). O painel é fruto de proposta da vereadora Sonia Sousa (Avante).

“As discussões serão no sentido de valorizar e dar visibilidade às pessoas que promovem políticas públicas voltadas ao tratamento, prevenção, bem-estar e direitos dos portadores de HIV/Aids, em São Luís”, explica a vereadora Sonia Sousa. O evento vai reunir autoridades e representantes da sociedade civil para debater o tema. Entre as presenças confirmadas, está o secretário municipal de Saúde (Semus), Joel Nunes Junior.

O painel tratará, entre outros assuntos, do papel das autoridades na condução das políticas voltadas para este segmento; medidas de conscientização sobre outras infecções e doenças sexualmente transmissíveis; ações preventivas, de assistência e proteção dos direitos de quem tem HIV.

“A epidemia de Aids existe há 40 anos e, até hoje, muito embora já exista tratamento eficaz, que é disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde, ainda mata brasileiros. Precisamos dialogar sobre este tema e desmistificar o preconceito que gira ao seu redor, garantindo o acesso aos serviços de saúde para essas pessoas que se encontram, muitas vezes, em situação de grande vulnerabilidade social. O HIV/Aids precisa ser discutido, afinal, é um assunto atemporal”, avalia a vereadora.

O mês de dezembro foi escolhido para realização do painel, por marcar a agenda nacional da campanha Dezembro Vermelho. O movimento mobiliza entidades, autoridades e população em todo o país, para reforçar a solidariedade, o respeito e compreensão com as pessoas que têm a vida afetada pela doença.

Estatística

Dados da Organização das Nações Unidas (ONU) apontam para a existência, atualmente, em todo o mundo, de 38 milhões de pessoas vivendo com HIV/aids. A epidemia de aids existe há 40 anos e, em 2020, foram registrados 32.701 casos de pessoas com HIV no Brasil. São cerca de 920 mil pessoas vivendo com HIV, no país, segundo a ONU.

Desse total, 89% já foram diagnosticadas e 77% fazem o tratamento com remédios antivirais. Das pessoas que estão em tratamento, 94% não transmitem mais a doença por estarem com a carga viral baixa. Mesmo assim, em 2019, o país ainda apresentava uma taxa de 4,1 mortes por 100 mil habitantes em decorrência da doença.