Pix: Entenda como vai funcionar o novo sistema de pagamentos instantâneos que começa a funcionar em novembro no Brasil.

Você sabe o que é o Pix? Muitos correntistas de bancos estão se perguntando a mesma coisa. Essa nova modalidade de pagamentos instantâneos deve iniciar em novembro no Brasil e pretende facilitar muitas operações bancárias, substituindo o TED (Transferência Eletrônica Disponível) e o DOC (Documento de Ordem de Crédito).

O Pix é um sistema brasileiro de pagamentos instantâneos, criado pelo Banco Central, e vai funcionar 24 horas por dia, sete dias por semana. O Banco Central vai cobrar apenas um centavo para cada 10 transações no Pix.

O especialista em inteligência de mercado e Economista do Ceape – Centro de Apoio aos Pequenos Empreendimentos, Roosevelt Silva, vai explicar melhor como utilizar essa nova modalidade de pagamento que ainda gera muitas dúvidas nos usuários.

O que é o Pix e qual o diferencial de uma transação bancária comum?

O Pix é um sistema de pagamentos e transferências instantâneo, criado pelo Banco Central do Brasil. As movimentações acontecem em tempo real. Esse é seu grande diferencial: a agilidade. Com a implementação do Pix, será possível fazer uma transferência bancária em segundos para qualquer banco, durante todos os dias do ano, 24 horas por dia. As transações poderão ser feitas por meio de QR Code ou a partir da inserção de informações simples como número de celular, e-mail, CPF ou CNPJ. Assim com o Uber o PIX provocará maior competição no mercado de pagamentos, com a redução dos custos e melhoria na qualidade dos serviços.

Como podemos utilizar o Pix e quais a vantagens que esse serviço vai oferecer?

O Pix é um modelo de transação revolucionário, para usar o PIX, será preciso que pagador e recebedor possuam uma conta em banco, em uma instituição de pagamento ou em uma fintech (startups especializadas na oferta de serviços financeiros). A conta não precisa ser apenas corrente, já que as transações poderão ser feitas usando uma conta de pagamento ou de poupança. O dia e a hora da transação não terão importância, nem se o solicitante e o recebedor da operação têm relacionamento com o mesmo banco ou instituição. A liquidação será imediata, ou seja, o recebedor terá em poucos segundos os recursos disponíveis em sua conta.

O que os usuários podem esperar do Pix? 

Os usuários podem esperar agilidade e custos baixos com segurança. As transações serão baseadas na Rede do Sistema Financeiro Nacional (RSFN) e terão como base tecnologias de proteção atuais.

Por que os usuários mais tradicionais, que preferem fazer transações em dinheiro devem pensar em mudar para o Pix?

O Banco Central quer que o PIX seja de uso tão fácil quanto fazer pagamentos com dinheiro em espécie. Se isso der certo, modalidades como TED, DOC e o próprio boleto bancário deverão perder muito espaço, mas não cair em desuso. O PIX é, acima de tudo, uma adequação à mudança de comportamento com relação ao dinheiro proporcionada pela tecnologia.

Além da segurança e praticidade o que o Pix vai representar para o mercado financeiro?

O Pix vai representar uma revolução nos meios de pagamentos vai aumentar a inclusão financeira no país, estimular a competitividade e aprimorar a eficiência no mercado de pagamentos. Além dos Bancos tradicionais, o PIX terá espaço para bancos digitais, cooperativas de crédito, fintechs e afins possibilitando benefícios para sociedade.

Cadastro

Para se cadastrar no Pix os usuários devem procurar as instituições financeiras a qual tem conta. Essas instituições deverão disponibilizar o cadastro nos seus respectivos aplicativos ou sites. O usuários deverão informar CPF, CNPJ, celular e e-mail que devem ser cadastrados nas suas chaves de segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.