O endividamento e o impacto na saúde mental

Um desequilíbrio financeiro aliado a várias dívidas podem gerar danos à saúde mental. Segundo dados de 2019 da International Stress Management Association no Brasil (Isma-BR), problemas nas finanças é a principal causa de ansiedade e preocupação e afeta 78% das pessoas consultadas na pesquisa.

Outro dado alarmante foi divulgado recentemente pelo Serasa, apontando um aumento do valor médio mensal de 1,3% nos endividados do país. Esses são dados do mês de maio em comparação com o mês de abril, sendo o maior aumento dos últimos 12 meses, chegando no valor médio de R$ 3.937,38 em endividamento por cada pessoa.

Atualmente são R$ 62,56 milhões de brasileiros com dívidas no Brasil, vividos dentro de um momento delicado por conta da pandemia da covid-19. Por esse motivo, a preocupação e a atenção com fatores sobre a saúde financeira e a saúde mental devem ser ainda maiores. 

“A pressão da responsabilidade financeira e as pendências nos pagamentos pode chegar, em alguns casos, a um nível desesperador, impactando negativamente na saúde mental”, explica a psicóloga do Sistema Hapvida, Celiane Lopes.

Cuidados

Celiane reforça ainda que é importante ficar atento aos possíveis sinais que podem comprovar que os problemas financeiros estão afetando a saúde mental, como crise de ansiedade, isolamento e tristeza profunda que geram depressão.

As pessoas costumam manifestar o sentimento de culpa, de desespero e impotência nessas ocasiões, que tiram a tranquilidade da vida. Por isso, é importante, nesses casos, que a pessoa adote medidas positivas, acredite no seu equilíbrio financeiro e dê prioridade a sua saúde.