O Maranhense|Notícias do Estado do Maranhão

Nomofobia: conheça o medo de ficar sem celular e os riscos causados pelo vício no aparelho

Você já ouviu falar em nomofobia ou no-mobile? O nome pouco conhecido refere-se a uma fobia que tem crescido em todo o mundo. Trata-se do medo irracional de ficar sem o celular. Esse medo também é conhecido como síndrome da dependência digital. Pesquisa publicada pela Digital Turbine mostra que 20% dos brasileiros não ficam mais de 30 minutos longe do celular.

Para a psicóloga Elaine Matos, professora do curso de psicologia da Faculdade Pitágoras Teixeira de Freitas, o avanço tecnológico é um dos fatores que contribuem para a dependência. “O celular e a tecnologia facilitam o dia a dia e nos proporciona comodidade. Mas alguns sinais podem indicar vícios, comprometendo a qualidade de sono, excesso de irritabilidade e desconforto”, explica a docente.

O estudo da plataforma de mídia também apontou que 92% dos brasileiros fazem compras pelo celular e que desse percentual 30% passaram a comprar ainda mais pelo aparelho móvel após o início da pandemia. Elaine Matos ressalta que apesar da comodidade ofertada pelos aparelhos, é preciso ficar atento aos sinais que indicam vício. “É preciso observar os casos em que o uso restrito do celular pode gerar incômodo, a exemplo do ambiente de trabalho. O aparelho é funcional e nos ajuda nas atividades, entretanto, não podemos comprometer a qualidade de vida e interações reais em detrimento do aparelho tecnológico”, alerta.

Levantamento do Google mostra que 73% dos brasileiros não saem de casa sem os seus dispositivos. A psicóloga ressalta que o uso exagerado do aparelho pode trazer consequências. “Algumas enfermidades podem ser desenvolvidas, acarretadas pelo comportamento excessivo do uso de celulares, a exemplo de ansiedade, irritabilidade, esgotamento mental, depressão, isolamento social, autocobrança e relações interpessoais conflituosas”.

A profissional da saúde explica que é preciso analisar as consequências do uso descontrolado e os prejuízos desse comportamento. “De acordo com a intensidade desse comportamento socialmente disfuncional, a ajuda de um psicólogo é indispensável e certamente o processo terapêutico vai ajudar esse sujeito a melhorar esse vício em um contexto de reflexão. Onde se possa compreender quais são os reforçadores desse comportamento, bem como propor ao sujeito outras possibilidades”.

Elaine Matos pondera que o problema não é a tecnologia em si, mas a maneira como nos relacionamos com ela, já que o celular é um item quase que essencial para muitas pessoas que usam para trabalhar e estudar. Ela defende que o uso deve ser de forma saudável para que o aparelho seja um auxílio e não uma dependência. “O celular e a internet não são causadores de problemas em si, isoladamente. É importante compreender o contexto, reavaliar a constância do uso, perceber as escolhas do conteúdo que consome e a relevância da tecnologia no seu cotidiano. Entendemos que pode ter uma correlação do uso excessivo de novas tecnologias como celular e internet com surgimento de demandas psicológicas, como estresse, e até depressão. Mas, não de causalidade. É importante verificar todo o contexto que essa pessoa está inserida e questões subjetivas dela, como histórico de vida, hereditariedade, traços de personalidade, dentre outros fatores”, conclui a psicóloga.

Sobre a Faculdade Pitágoras

Fundada em 2000, a Faculdade Pitágoras já transformou a vida de mais de um milhão de alunos, oferecendo educação de qualidade e conteúdo compatível com o mercado de trabalho em seus cursos de graduação, pós-graduação, extensão e ensino técnico, presenciais ou a distância.

Presente nos estados de Minas Gerais, Maranhão, Goiás, Ceará, Pará, Piauí, Paraíba, Pernambuco, Acre, Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Paraná e São Paulo, a Faculdade Pitágoras presta inúmeros serviços gratuitos à população por meio das Clínicas-Escola na área de Saúde e Núcleos de Práticas Jurídicas, locais em que os acadêmicos desenvolvem os estudos práticos.

Focada na excelência da integração entre ensino, pesquisa e extensão, a Faculdade Pitágoras oferece formação de qualidade e tem em seu DNA a preocupação em compartilhar o conhecimento com a sociedade também por meio de projetos e ações sociais.

A Faculdade Pitágoras nasceu herdando a tradição e o ensino de qualidade oferecido pelo Colégio Pitágoras, fundado em 1966, que também deu origem ao grupo Kroton. Para mais informações, acesse o site e o blog da Pitágoras.

Sobre a Kroton

A Kroton nasceu com a missão de transformar a vida das pessoas por meio da educação, compartilhando o conhecimento que forma cidadãos e gera oportunidades no mercado de trabalho. Parte da holding Cogna Educação, uma companhia brasileira de capital aberto dentre as principais organizações educacionais do mundo, a Kroton leva educação de qualidade a mais de 829 mil estudantes do ensino superior em todo o País. Presente em 1.221 municípios, a instituição conta com 131 unidades próprias, sob as marcas Anhanguera, Fama, Pitágoras, Unic, Uniderp, Unime e Unopar e é, há mais de 20 anos, pioneira no ensino à distância no Brasil. A Kroton possui a maior operação de polos de EAD no país, com 2,1 mil unidades parceiras, e oferece no ambiente digital 100% dos cursos existentes na modalidade presencial. Com a transmissão de mais de 1.000 horas de aulas a cada mês em ambientes virtuais, a Kroton trabalha para oferecer sempre a melhor experiência aos alunos, apoiando sua jornada de formação profissional para que possam alcançar seus objetivos e sonhos. Para mais informações acesse Kroton.