O Maranhense|Notícias do Estado do Maranhão

MPMA inspeciona local para implantação de posto avançado do Terminal de Cujupe

Uma equipe técnica do Ministério Público do Maranhão, coordenada pela promotora de justiça Lítia Cavalcanti, visitou, na tarde desta terça-feira, 9, o povoado Três Marias, no município de Peri-Mirim, para conhecer o local onde poderá ser instalado um posto avançado para os passageiros de ferry boat. O ponto fica a 60 km do Terminal de Cujupe. A vistoria foi acompanhada pelo presidente da Agência de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB), Daniel Carvalho.

A proposta tem o objetivo de facilitar a compra das passagens e evitar que os consumidores da Baixada Maranhense sejam obrigados a se deslocar até Cujupe sem a garantia de vagas para viajar. Além disso, a construção do posto avançado da Baixada Maranhense evitaria a formação de filas de veículos e tornaria o embarque mais rápido.

“A visita é um passo importante para que a Promotoria de Justiça do Consumidor, que está acompanhando a prestação do serviço, tenha mais elementos para debater com a população, por meio de audiências públicas, a instalação desse posto”, afirmou Lítia Cavalcanti.

Ela explicou que fez, mais uma vez, o trajeto entre o Terminal de Ponta da Espera e Cujupe para apurar o cumprimento de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado entre o MPMA e a MOB, em dezembro do ano passado, sobre as filas de espera nos terminais e para “sentir a necessidade dos usuários e poder falar como consumidor na defesa dos interesses de todos”.

A titular da Promotoria de Justiça do Consumidor explicou que, além da venda de passagens, o posto forneceria informações aos passageiros sobre disponibilidade de vagas, se houve algum atraso, dentre outros problemas. “Observamos que muita gente vem para a fila sem ter comprado previamente a passagem. Em momentos de grande fluxo, isso causa muito transtorno”, avaliou Cavalcanti.

No mesmo sentido, o presidente da MOB também enfatizou que a falta de aquisição antecipada das passagens ocasiona um transtorno. “O posto seria coordenado pelas operadoras em conjunto com a MOB. O objetivo é evitar que os usuários do serviço de travessia aquaviária tenham um deslocamento até Cujupe e se deparem com o problema de não ter mais passagem e sejam obrigados a ficar aguardando muito tempo para ter sua necessidade atendida”, declarou Daniel Carvalho.