Maranhão prepara atividades de acolhimento para cuidar do emocional de alunos e professores

Ainda sem data definida para o retorno às aulas, a rede estadual do Maranhão não paralisou as atividades. Além das aulas por rádio e internet, o planejamento educacional continua.

A retomada das aulas presenciais depende das condições epidemiológicas e vai seguir uma metodologia progressiva, das séries mais avançadas para as iniciais – primeiramente serão as aulas de graduação e pós-graduação, até chegar a vez da educação infantil.

Enquanto a data de retorno às escolas permanece incerta, a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) já vem preparando uma série de medidas para recepcionar os alunos após o longo período de quarentena.

Entre as ações, estão atividades de acolhimento para que estudantes, professores e demais profissionais da Educação trabalhem com as dores emocionais e os aprendizados ocorridos durante a reclusão social.

A medida está presente no Decreto n° 35.859, editado pelo governador no dia 29 de maio de 2020, assinalando que o objetivo é auxiliar estudantes e educadores “a lidar com problemas de ansiedade ou angústia” gerados pela pandemia e o confinamento.

“Nosso retorno será de uma maneira solidária e acolhedora. A primeira coisa a se fazer é cuidar do emocional das pessoas. Estamos saindo de um momento onde famílias perderam seus entes queridos e há muitas pessoas doentes”, disse o secretário de Educação, Felipe Camarão, durante webinário promovido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Avaliação diagnóstica

Assim que for anunciado o retorno gradual das aulas presenciais, também será aplicada uma avaliação diagnóstica para todos os estudantes das redes pública municipais e estadual.

A avaliação é fruto de uma parceria com o Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAed/UFJF) e será aplicada para todos os estudantes matriculados do 2º ano do Ensino Fundamental até a 3ª série do Ensino Médio.

A avaliação diagnóstica beneficiará as redes públicas dos 217 municípios maranhenses e possibilitará que as escolas tenham informações sobre possíveis defasagens de aprendizagem.

O diferencial é que as avaliações poderão ser disponibilizadas para as redes municipais de educação, como explicou Felipe Camarão em entrevista a um jornal local.

“A avaliação também será ofertada às redes municipais que desejarem, sem custo, por intermédio do Regime de Colaboração, para que alcance todos os estudantes maranhenses”, disse.

Busca ativa

Outro ponto também elencado no decreto governamental é a busca ativa por estudantes, assim que forem retomadas as aulas presenciais, com base na não participação em atividades remotas.

“Faremos uma busca ativa dos estudantes que não retornarem e que não tenham participado das atividades a distância, no intuito de mitigar esses impactos da pandemia”, concluiu Felipe Camarão.