Granjas buscam alternativas naturais para adicionar na nutrição de frangos

Cada vez mais a população tem se preocupado com a origem do alimento que está consumindo. A busca por alternativas mais saudáveis tem movimentado, de acordo com a última pesquisa do Euromonitor de 2019, em torno de US$ 35 bilhões por ano no Brasil, sendo considerado o quarto maior mercado do mundo.

É um segmento em franco crescimento e tem atingido todas as categorias, inclusive o de proteína animal e ovos. “Os consumidores estão mais preocupados com o bem-estar dos animais durante o período de criação, com as boas práticas de fabricação dos frigoríficos e com a nutrição oferecida aos animais. Todos estes fatores têm proporcionado um sistema sustentável e carne de melhor qualidade ao consumidor”, ressalta a coordenadora de Produtos e Trade Marketing, Letícia Lopes Rocha.

Alguns países, principalmente os da União Europeia, tem restringindo a comercialização de produtos oriundos de criações que utilizam promotores de crescimento e antimicrobianos como melhoradores de desempenho. Com o novo cenário de exigências, muitas empresas buscam aditivos naturais como os probióticos e os prebióticos para substituir os promotores de crescimento e os antimicrobianos das rações.

Os probióticos são definidos como microrganismos e podem ser puros ou composto que tem como objetivo beneficiar o animal hospedeiro através de um estímulo de propriedades já existentes na microbiota intestinal e através do balanceamento da flora intestinal. “De maneira geral, quando adicionados a nutrição de monogástricos, os probióticos melhoram a produtividade, o ganho de peso e a conversão alimentar”, ressalta Leticia.

Os probióticos possuem diversos mecanismos de ação. Um deles é a ocupação dos sítios de ligação presentes na mucosa intestinal, que impedem a fixação das bactérias patogênicas e as eliminam juntamente com as excretas. “Algumas bactérias probióticas estão diretamente relacionadas com o estímulo da resposta imune. Elas agem por meio da ativação de macrófagos e do aumento da produção de anticorpos entre outros mecanismos de ação”, explica Letícia.

Já os prebióticos são ingredientes alimentares não digeríveis que beneficiam a saúde do hospedeiro. Os carboidratos denominados oligopolissacarídeos se enquadram na definição e nas características dos prebióticos, que são os frutoligossacarídeos (FOS) ou mananoligossacarídeos (MOS). “Neste caso, os FOS estimulam o crescimento de algumas bactérias benéficas intestinais como os Lactobacillus e Bifidobacterium, que servirão como fonte de energia para elas. Os MOS são carboidratos extraídos de parede celular de leveduras e irão atuar ligando-se com microrganismos patogênicos”, finaliza a coordenadora.

Sobre a Guabi Nutrição e Saúde Animal A Guabi Nutrição e Saúde Animal é uma empresa que há mais de 46 anos se dedica ao desenvolvimento e fabricação de produtos de alta qualidade, voltados para o bem-estar de todo o ciclo: animais, produtores, criadores e consumidor final. Investe na qualidade dos insumos e tecnologias de ponta que garantam o melhor resultado, e é hoje uma das maiores empresas de nutrição e saúde animal do país. Tem forte atuação em todos os estados brasileiros e exportações frequentes para mais de 30 países. Atualmente, a Guabi possui cinco unidades fabris distribuídas pelo Brasil, além de dois Centros de Distribuição localizados na região Nordeste e de seu Escritório Nacional, em Campinas/SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.