Fotofobia: um olhar mais sensível à luz

Acordar pela manhã, abrir os olhos e ver a claridade invadindo a janela. Para muitas pessoas, esse é um dos momentos mais difíceis. Isso porque a sensibilidade aos raios solares e a aversão à luz faz com que pessoas coloquem a mão em cima dos olhos ou apertam mais o olho, numa tentativa de filtrar essa quantidade de radiação ultravioleta que quer penetrar no no olho e que pode provocar alguma lesão. Mas não é somente ao longo do dia que esse problema aparece. Algumas pessoas também têm essa sensibilidade no período da noite com os raios de luz dos carros.

“Os óculos escuros já se tornaram acessórios indispensáveis no meu dia a dia. Eu não consigo sair de casa durante o dia sem usá-los, principalmente quando o sol está muito forte. Já à noite, também sinto incômodo por conta do farol dos carros que vem em minha direção”, comenta a gerente administrativa, Karina Hermes.

De acordo com o oftalmologista do Hapvida Notre Dame Intermédica, Breno Barth, a principal causa da fotofobia, além da luz solar intensa, é também o astigmatismo. “Algumas pessoas têm mais astigmatismo e ele forma uma imagem na retina um pouco tortuosa. Esse astigmatismo que deve ser diagnosticado com o oftalmologista e corrigido com óculos, lentes de contato ou até com cirurgia refrativa”, comenta.

Prevenção e tratamento

A principal forma de prevenção da fotofobia é o uso de óculos escuros. Os oftalmologistas aconselham que se use, de preferência, os com proteção ultravioleta. “Essa proteção vai impedir que esses raios penetrem no globo ocular e causem danos à retina e ao cristalino. Os óculos com proteção ultravioleta vão fazer um bloqueio desse raio e, consequentemente, não haverá dano à visão. É melhor nem usar óculos do que usar um que não tenha a proteção ultravioleta”, explica Breno. 

O tratamento, segundo o especialista, pode ir desde uso de óculos escuros para proteção da vista ao uso de lentes corretivas para correção do astigmatismo. “O importante é que, em qualquer situação, o oftalmologista seja consultado. Ele indicará qual o melhor tratamento para combater a fotofobia”, alerta. 

Cor dos olhos influencia

É verdade que as pessoas com olhos claros têm mais fotofobia?  “Geralmente, sim. Mas eu diria também que quem mais tem fotofobia são os astigmatas. Então, o que devemos fazer é ir ao oftalmologista que vai diagnosticar e resolver esse problema”, pontua. 

Breno também destaca que existe outro ponto importante a ser verificado, que é o olho seco. “Às vezes, a fotofobia se dá pelo olho ressecado, aquela córnea que não está tão bem lubrificada. Nesse caso, o uso dos colírios consegue melhorar bastante a fotofobia. Existe também uma classe de pacientes que são alérgicos. Eles têm uma conjuntiva um pouco irregular, o que gera o olho seco, aquela sensação de areia, de lágrima mais mucosa e que também atrapalha a visão”, finaliza.