Estrada do Peixe alavanca atividades econômicas no povoado Itans

O Maranhão é o terceiro maior produtor de peixe nativo do Brasil no ano de 2018, e o sexto maior produtor de peixes de cultivo do país, segundo o Anuário Peixe BR da Piscicultura, publicado em 2019.

O relatório mostra que, entre as justificativas para o bom desempenho e expansão da atividade, está o fato desta ter sido incluída como uma das prioridades do estado. Prova disso, são os investimentos realizados em prol do crescimento da atividade.

Recentemente, o Governo do Maranhão, através da Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra), entregou a Estrada do Peixe, que liga o povoado Itans à cidade de Matinha. A via, que recebeu serviços de pavimentação asfáltica, drenagem, sinalização horizontal e vertical nos 16 quilômetros de extensão e que contou com investimento na ordem de aproximadamente R$ 15 milhões, é um importante canal para o escoamento da produção dos criadores e recebimento de insumos.

A obra inaugurada possui grande importância para o desenvolvimento da região e beneficiará a comunidade. De acordo com o presidente da Associação dos Produtores (as) Rurais de Piscicultura e Pesca Artesanal do Povoado Itans e Circunvizinhos (APPI), Narlon Santos Silva, a estrada beneficia diretamente 80 famílias associadas e dá acesso a 15 povoados de Matinha e mais cinco do município de Viana.

Ainda de acordo com a pesquisa, no ano de 2018 a piscicultura cresceu 47,4% no estado. Crescimento este que é visto, também, na região da Baixada Maranhense, que se destaca como um dos polos de produção de peixe no Maranhão. Entre as localidades produtoras, está o povoado de Itans, onde mora Silas da Silva e Silva, 65 anos, um dos primeiros criadores de peixe do povoado e que começou a produção em 1997.

Ele conta que devido à falta de pavimentação na estrada, já teve prejuízos e isso atrapalhava o andamento do processo produtivo, elevava os custos e, consequentemente, diminuía o lucro. “A produção era feita com dificuldades antes da estrada. No inverno, a ração chegava de lancha porque não tinha como passar pela estrada porque era tudo lama. Às vezes, quando a gente passava mesmo assim, a ração ficava mais cara, já que tinha que puxar de trator e isso aumentava o custo, aumentava a despesa. Agora, o carro com a ração para na frente da nossa casa”, afirma. 

A falta de pavimentação também fez com que o piscicultor perdesse parte da produção. “Já teve casos em que perdemos peixe e ração. Me lembro uma vez que perdemos 37 toneladas de ração por conta da estrada ruim”, relembra.

Além da perda de produção, o atraso na chegada dos insumos prejudicava a qualidade dos peixes, algo que é prioridade para a comunidade de piscicultores do povoado. “A falta do alimento adequado faz com que os peixes comecem a ingerir lama, por exemplo, o que interfere no sabor do peixe que será consumido pela população. Isso prejudica a qualidade do criadouro e a gente preza pela qualidade. O peixe de Itans é diferente”, conta.

Atualmente, Silas tem funcionários, gerando emprego e renda. A família também trabalha com piscicultura. “Toda comunidade é envolvida com piscicultura. Três filhos meus e mais o meu genro trabalham com isso. Foi ela que me ofereceu um conforto e qualidade de vida melhor. Hoje, eu tenho funcionários e além de ganhar o lucro que ganho, eu posso empregar outras pessoas”, reforça.

Agora, com a Estrada do Peixe pavimentada, ele vislumbra o aumento da produção, a rapidez no escoamento, e, com isso, a expansão do negócio e um ganho maior de lucratividade, aproveitando o potencial da atividade que o povoado de Itans possui. “Somos um pólo da piscicultura. Estudantes e professores vêm aqui conhecer como a gente cria os peixes, como usa a ração, a alimentação correta. Os filhos dos criadores estudam essa área, se especializam e trazem esse conhecimento pra cá. Eu quero aproveitar e colocar mais açudes. A gente está se organizando para vender para outros estados e depois expandir, exportando a produção para outro país. Agora com a estrada, nós queremos ir mais longe”, ressalta.

DESENVOLVIMENTO EM OUTROS RAMOS

Além da expansão da piscicultura, outras oportunidades de negócio estão surgindo e serão alavancadas com a inauguração da Estrada do Peixe, como é o caso do empresário Leonan Silva Gomes, dono de uma empresa de autopeças, que relata ter visto uma oportunidade de lucro e, por consequência, melhoria de vida com a pavimentação da Estrada do Peixe.

“Quando disseram que a estrada iria sair, eu vi a chance de montar uma loja de autopeças e assim eu fiz. Hoje, eu calculo uns 30% a mais de lucro. Por conta da estrada, vem gente de outros municípios para consertar os veículos aqui. Se não tivesse acesso, o pessoal não teria como vir. A estrada foi sinônimo de lucro”.

Com a pavimentação da via, Leonan comemora as melhoras, desde o fornecimento de material até o aumento do lucro. Ele hoje pode empregar três funcionários e já pensa em ampliar. “Antes, os fornecedores não vinham aqui trazer peças, a gente tinha que ir em Matinha ou em Viana e de lá, nós trazíamos as peças, no verão enfrentando a poeira, e no inverno, enfrentando a lama. Hoje, a estrada entregue é um sonho, e poucos interiores tem uma estrada como essa. Eu já estou ampliando a loja e vamos trabalhar, também, além de motos, com quadriciclos. Estamos sendo beneficiados agora com a estrada. Melhorou muito”, relata.

COM A PALAVRA, O SECRETÁRIO CLAYTON NOLETO

“Itans, povoado de Matinha, localizado na Baixada Maranhense é um polo de piscicultura, com empreendedores que geram emprego e renda. Um caso de sucesso da superação das adversidades por meio da produção, que é um dos vértices de nosso governo. A obra foi uma luta árdua, difícil, que exigiu muito comprometimento e perseverança. Mas a alegria das pessoas, sobretudo as mais simples, com a conclusão da obra e a obtenção dos benefícios dela decorrentes, faz valer a pena cada minuto de dedicação, de preocupação, de alerta, de tensão, de esforço, de comprometimento”, conclui o secretário Clayton Noleto. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.