Em 2 dias, Governo do Estado entrega Escola Digna integral, quilombola e de ensino médio no campo

Comunidades escolares de três municípios diferentes – Alcântara, Serrano e Barreirinhas – receberam, na quinta (3) e sexta-feira (4), Escolas Dignas do Governo do Estado. Mais de 600 estudantes ganharam novos ambientes escolares com todas as condições necessárias à aprendizagem com qualidade. As escolas entregues são de três modalidades diferentes: educação em tempo integral, quilombola e ensino médio em zona rural. 

“Dois dias importantes para a história do Maranhão, com a entrega da reforma do Centro Educa Mais Aquiles Batista Vieira, em Alcântara; a Escola Digna no Quilombo Nazaré, em Serrano, com o CEF Nossa Senhora de Nazaré, e o Centro Educacional José de Ribamar Reis Silva, povoado Mamede, em Barreirinhas. Essa é a mudança que o governo Flávio Dino vem fazendo em todo o estado; uma mudança profunda. A Escola Digna não é apenas feita de paredes e tijolos; é feita, sobretudo, de pessoas. Mas essas pessoas precisam dos meios adequados. É por isso que o governo investe muito em educação”, enfatizou o secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão.  

Em Alcântara, o Centro Aquiles Batista Vieira recebeu investimentos da ordem de R$ 737.180,78 destinados à reforma e melhoria da escola, que funciona em tempo integral atendendo 320 alunos, e mais 156 matriculados da Educação de Jovens e Adultos, no noturno. 

A escola recebeu nova biblioteca, requalificação dos laboratórios de Matemática e Física e de Biologia e Química, sala de informática, armários para os alunos, sala de professores, reforma dos espaços de secretaria, gestão e sala de grêmio, auditório, cozinha completa, banheiros adaptados, entre outros espaços. E nos próximos dias, também receberá a reforma da quadra poliesportiva. 

“Eu espero que, assim como eu, todos os outros alunos do 1º e 2º, aproveitem essa oportunidade. Agarrem com a mão, não deixem para trás, porque uma escola adequada com materiais novos, uma escola reformada, muitos alunos no Brasil e em outros locais não têm essa oportunidade e nós, do município de Alcântara, tivemos essa oportunidade de ter uma Escola Digna”, ressaltou o estudante Ruan Marlos, do 3º ano. 

Escola Digna Quilombola em Serrano

Em um local onde cada pedaço de terra é sagrado, nada mais simbólico do que a entrega de uma casa dos saberes: a Escola Digna. No Quilombo Nazaré, em Serrano do Maranhão, foram inaugurados na quinta-feira (3), o Centro de Ensino Fundamental Nossa Senhora de Nazaré, e o poço artesiano. Existente há 23 anos, a escola já passou por alguns locais e reestruturações até receber o tão sonhado prédio que servirá também de ponto de encontro para os quilombolas da região. 

O CEF Nossa Senhora de Nazaré atende 38 estudantes, a partir de 3 anos até a idade adulta, em dois turnos, como a Lauricelia Lisboa, estudante da 1ª série do Ensino Médio, que também é mãe da jovem Elissandra Rodrigues.  “Eu vim de Cururupu para o Quilombo Nazaré quando minha filha tinha 6 anos de idade. Hoje, eu e os meus filhos estudamos aqui nessa escola, eu acho bom, às vezes eu penso em desistir, mas tudo o que eu quero agora é terminar os estudos e que os meus filhos terminem também. Essa escola aqui é muito bonita e faz uma diferença grande para nós”, afirmou. 

Dona Joana Batista, primeira professora da escola, que fica localizado no Território Quilombola Mariano dos Campos, é docente do quilombo desde 1997 e matriarca de uma geração de professores, entre eles a gestora Josenilde de Nazaré e a professora Leidiane de Livramento. “Vim de Soledade ‘pra’ cá para assumir uma sala de aula aqui e estou até hoje. Meu sentimento é grande, por isso eu trouxe minha família toda, meus filhos, meus netos, todos estudam aqui comigo e com os outros professores, que inclusive são as minhas filhas. Nós lutamos muito para ter essa escola que hoje abrilhanta o quilombo”, ressaltou a idosa de 63 anos. 

Em 2014, a escola passou por uma reestruturação pedagógica, denominada pela professora Leidiane Reges como “Diálogo dos Saberes”, onde todo o território quilombola e elementos da natureza são instrumentos de educação e todo quilombola é um professor. A exemplo de pais que ensinam a fazer cofos de palha e mães que ensinam artesanatos. Com isso, os estudantes conseguem aprender o que têm nos livros didáticos e também sobre a cultura afro brasileira. 

“Meu sentimento hoje, que nós estamos recebendo a nossa escola, foi um sonho que nós lutamos para conseguir realizar. Essa escola aqui é o nosso ponto de encontro, a gente poder tecer o diálogo de saberes, entre os saberes ancestrais com os conteúdos do livro didático. Então, a nossa maior escola é o nosso quilombo, mas a gente precisa de um espaço ‘pra’ gente se reunir e tecer os nossos projetos pedagógicos e fazer os nossos movimentos culturais. Foi um sonho muito bem sonhado e o sentimento é de gratidão para nós que lutamos pelos nossos direitos e para o governo que garantiu o nosso direito”, afirmou a professora. 

Para a gestora Josenilde de Nazaré, a valorização das raízes africanas e do ‘bem viver’, que seria ter aquilo que é necessário para o dia a dia, e ser feliz com o que tem é o mais importante e o prédio da Escola Digna é um instrumento para que isso aconteça. “Esse prédio que temos hoje é fruto de muitas lutas, noites sem dormir em busca desse sonho. A escola que a gente sempre trabalhou era de palha, ensinamos até debaixo de árvore, tudo para não deixar a educação do nosso quilombo cair. Receber esse prédio é gratificante sim, mas não tira de nós o sentimento de pertencimento ao prédio que a gente tinha, a casa de taipa é a identidade que nos representa, onde valorizamos o ‘bem viver’ e não o ‘viver bem’. Somos muito gratos, ressaltou a gestora e professora Josenilde de Nazaré.

O município de Serrano faz parte do Plano Mais IDH, do Governo do Estado, para diminuir os baixos indicadores de desenvolvimento humano e combate à pobreza. Durante a inauguração, o secretário adjunto da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop), Bruno Lacerda, destacou as ações no município. “Mais uma Escola Digna construída em um município do Plano Mais IDH, dessa vez em Serrano do Maranhão, no Quilombo Nazaré, que faz uma enorme diferença não só para as pessoas que moram aqui, mas para toda a comunidade que vê uma perspectiva diferente de desenvolvimento”, concluiu. 

A prefeitura de Serrano foi representada na inauguração pela secretária de educação, Mayara Silvestre, que agradeceu ao governo do Maranhão pela parceria.

Escola no campo em Barreirinhas

Em Barreirinhas, a festa do Escola Digna foi no povoado Mamede, a 50 quilômetros da sede, onde a comunidade esperou 13 anos para ver concluída e entregue a obra de construção do primeiro prédio próprio para o Ensino Médio. O prédio do antigo Centro de Ensino Joaquim Soeiro de Carvalho – Anexo Mamede, hoje, Centro Educacional José de Ribamar Reis Silva, começou a ser construído em 2007, na gestão do então governador Jackson Lago. 

“Quando o doutor Jackson foi obrigado a deixar o governo, quem sucedeu ele não deu continuidade à obra, que ficou abandonada, com 70% da estrutura construída. O prédio passou a se deteriorar, enquanto os estudantes sofriam sem um lugar adequado ‘pra’ estudar. Em 2015, a comunidade fez um mutirão de limpeza e pintura, e trouxe os alunos para dentro da escola, mesmo inacabada. Mas, era muito ruim”, disse Alberto Gonçalves Amorim, gestor da escola. 

Em agosto deste ano, o Governo do Maranhão retomou a obra, que recebeu investimentos de cerca de R$1,6 milhão. Foram colocados mais de mil metros de piso, revestimento, telhado da estrutura central, construção de passarelas, muro, banheiros, além de instalação de portas e de janelas de vidro, sistemas hidráulico e elétrico, gradeados entre outras estruturas. São seis salas de aula, secretaria, sala de professores, biblioteca, sala de laboratório de informática, cozinha e banheiros, para acolher a comunidade escolar. A obra que já está beneficiando cerca de 90 alunos do ensino médio, que não precisarão mais sair da comunidade rural para estudar. Além disso, no próximo ano vai atender também estudantes do ensino fundamental da rede municipal. “Hoje é um dos dias mais felizes da nossa vida. A gente ficava triste em ver essa escola tão bonita, inacabada e se acabando, porque o governo de antes não olhava e não respeitava a comunidade. Mas, veio o governador Flávio Dino e olhou com respeito ‘pra’ nossa comunidade. Isso se chama dignidade!”, disse Núbia Sousa Silva, lavradora e ex-aluna da escola. 

“Eu tinha cinco anos quando a escola começou a ser construída. E eu sempre vi essa escola como uma obra inacabada. Quando a obra foi retomada, a gente imaginou que ela não ia ser acabada. E hoje, ela “tá” como “tá”. A gente se sente privilegiado em ter uma escola assim”, destacou Beatriz Santos Silva, estudante do 3º ano. 

“A gente via uma escola abandonada, e agora a vê uma escola com uma estrutura dessa linda desse jeito para nossos filhos, para nossos alunos, graças ao nosso governador Flávio Dino. É muita emoção! Muda tudo! As meninas não tinham nem como ir ao banheiro, porque não tinha! Eu estou muito feliz em ser professora dessa escola e moradora dessa comunidade”, afirmou a professora de geografia Eviane Coelho Silva, cheia de emoção.