Educadores podem inscrever suas experiências empreendedoras até esta sexta-feira, 26

Sair do lugar comum e acrescentar aos conteúdos formais atividades que despertem e desenvolvam capacidades e habilidades empreendedoras em alunos e universitários deixaram de ser raridade e, hoje em dia, são práticas percebidas em salas de aula de escolas públicas, privadas e de educação profissional, assim como em universidades brasileiras.  Profissionais da Educação se dispõem a ser multiplicadores dessa tendência mundial e buscam fazer a diferença, fazendo os alunos perceberem que ser empreendedor é uma atitude para a vida e não, necessariamente, estar à frente de um negócio.

“Muitas pessoas têm sonhos, mas nem todas correm atrás ou são persistentes para realiza-los. A experiência do Programa Jovens Empreendedores Primeiros Passos (JEEP) me ajudou a ser persistente. Antes, quando alguém dizia que eu não conseguiria fazer algo porque sou criança, eu acreditava. Hoje, eu tento e persisto até conseguir!”, relata a estudante Lavínia dos Santos Soares, 10 anos, aluna do 5º ano do ensino fundamental no Projeto Educativo Mãos Dadas, em Timon-MA. (Confira o depoimento completo da estudante AQUI)

Para valorizar e estimular boas práticas dos educadores, como os que ensinaram os primeiros passos do empreendedorismo à pequena e sábia Lavínia, estão abertas até esta sexta-feira, 26, as inscrições para a primeira edição do Prêmio Sebrae de Educação Empreendedora (PSEE). Em parceria com a Fundação Nacional da Qualidade, o prêmio vai analisar os melhores relatos de experiências empreendedoras nas categorias ensino fundamental, médio e superior e educação profissional em todo o Brasil, com etapas estadual, regional e nacional.

A premiação foi lançada em 2018 e a experiência a ser relatada deve ter estado vigente até ao final do referido ano. O edital pode ser consultado no site educacaoempreendedora.sebrae.com.br, onde também é feita a inscrição gratuita.

Com o PSEE o objetivo é estimular outras instituições de ensino a também desenvolverem seus projetos e promoverem a educação empreendedora, ajudando as novas gerações a mudar realidades através de um novo comportamento, um novo olhar e uma nova atitude. A instituição de ensino não é o foco da premiação e, sim, a iniciativa na promoção e disseminação da cultura empreendedora.

Para participar do PSEE, os relatos podem ser assinados pelo professor, coordenador, diretor, secretários municipais ou estaduais de Educação, reitores de universidades e demais profissionais envolvidos no ensino formal. A instituição de ensino que recebeu a boa prática, deve estar legalizada junto ao Ministério da Educação (MEC).

Quanto ao julgamento, os relatos serão avaliados por uma comissão que observará o estímulo, fomento ou desenvolvimento da iniciativa junto aos alunos, ao mesmo tempo que a gestão da mesma, ou seja, a maneira como foi conduzida pelo profissional da área de Educação.

Etapa estadual

No Maranhão, logo após o fechamento das inscrições já será iniciado o processo de habilitação e julgamento dos relatos para que passem pela validação da equipe técnica. A solenidade de premiação estadual – a primeira triagem do PSEE, está prevista para o mês de julho.

Na premiação estadual, o primeiro, segundo e terceiro melhores relatos serão reconhecidos com troféus, certificados e publicidade dos casos de sucessos no portal do Sebrae. Além disso, a escola a qual está ligado o profissional, ganhará um espaço permanente de livros e jogos sobre empreendedorismo.

Para a etapa regional ficarão 60 casos dos quais 20 serão selecionados para concorrer ao prêmio nacional, marcado para agosto – cada região levará quatro experiências exitosas referentes às quatro categorias da premiação.

Empreendedorismo cresce entre os mais jovens

Nos resultados da edição 2018 da pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitorapontou), constatou-se uma tendência brasileira dos últimos anos: o aumento da taxa de empreendedorismo. No ano passado, aproximadamente 52 milhões da população em idade produtiva (38%) estava envolvida com alguma atividade empreendedora. E detalhe: 22,2% dos que iniciaram um pequeno negócio estava entre os 18 e 24 anos – em 2017, o indicador estava em 18,9%.

Alguns pontos positivos foram ressaltados pela pesquisa no apoio e estímulo ao empreendedorismo no país: a vocação do brasileiro em empreender, alguns programas governamentais de fomento e a dinâmica do mercado nacional que acaba por gerar as oportunidades de negócios. Quanto aos gargalos, ainda pesa no país a burocracia excessiva, legislação tributária complexa, pouco apoio financeiro para empreendedores iniciantes e a baixa difusão de conteúdos empreendedores na educação básica.

“Por isso, o Prêmio Sebrae de Educação Empreendedora é tão relevante para nós que trabalhamos no apoio e estímulo ao empreendedorismo no Brasil. Por meio dessas experiências exitosas que os educadores brasileiros estão realizando nas salas de aula das mais diferentes regiões do país, queremos mostrar que o esforço de cada um vale a pena sim e pode contribuir de maneira decisiva para mudar o mundo de alguém, quebrar paradigmas estabelecidos e favorecer o estabelecimentos de novos hábitos, onde as capacidades e habilidades empreendedoras passam a fazer parte das características dos indivíduos que são os agentes de transformação de uma sociedade”, destaca o diretor técnico do Sebrae no Maranhão, Mauro Borralho.

O executivo cita que, além do PSEE, o Sebrae colabora com a construção dessa nova sociedade brasileira por meio de suas soluções do Programa Nacional de Educação Empreendedora. “Temos um rico portfólio voltado para difundir a educação empreendedora seja no ensino fundamental, médio e superior, bem como na educação profissional, em instituições públicas ou privadas. Os produtos estão focado nas mudanças que partem de dentro para fora e que podem transformar realidades, trazendo a reboque o desenvolvimento econômico”, sinaliza Borralho.

Para os interessados nas soluções do portfólio de educação empreendedora do Sebrae, mais informações podem ser encontradas no portal da instituição (www.sebrae.com.br), nas Unidades Regionais e Núcleos de Atendimento Empresarial no Maranhão e na Central de Relacionamento com o Cliente (0800 570 0800). O site educacaoempreendedoraead.sebrae.com.br também traz referências às soluções e o professor pode se inscrever nos cursos ofertados à distância pelo Sebrae. Qualquer dúvida, o telefone 3216-6172 também está disponível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.