.

Agente Jovem Ambiental levará educação ambiental a todos os cantos do Maranhão, afirma secretário de Meio Ambiente

O secretário de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA), Diego Rolim, definiu como crucial o programa Agente Jovem Ambiental (AJA) para que as ações de educação ambiental possam ser municipalizadas. “Esse é mais um programa visionário do governador Flávio Dino em prol do meio ambiente. Juntamente com a Escola Ambiental, a SEMA conseguiu dar posse a todos os 2 mil jovens que atuarão nos 217 municípios do Maranhão para que possamos atuar em ações e projetos voltados para minorar os impactos ambientais em nosso estado. Esse programa será crucial para que possamos fazer essa municipalização ambiental, levando educação ambiental a todos os cantos do Maranhão. É um prazer desenvolver uma política dessa”, enfatizou.

A declaração foi feita durante o lançamento do programa, na segunda-feira (9), no Palácio dos Leões. A solenidade contou com a participação do governador Flávio Dino e, simbolicamente, de dez jovens selecionados para o AJA na Região Metropolitana de São Luís (4 de São Luís, 2 de São José Ribamar, 2 de Paço do Lumiar e 2 de Raposa). 

O programa será executado pela SEMA, sob a coordenação da Escola Ambiental do Estado do Maranhão, para promover a inclusão social e ambiental de jovens maranhenses por meio do estímulo à participação em projetos socioambientais sustentáveis, para contribuir com a preservação e conservação do meio ambiente, estimular o protagonismo juvenil e o desenvolvimento de competências e habilidades que proporcionem a construção de uma cidadania ambiental, além de ampliar as oportunidades de geração de renda e melhoria da qualidade de vida.

De acordo com o governador do Maranhão, Flávio Dino, além da importância para o meio ambiente, o programa oportuniza o protagonismo juvenil. “O AJA é pioneiro no estado, isso amplia a responsabilidade dos dois mil jovens, porque, como disse o deputado Bira, esse é um programa de protagonismo juvenil. Claro que existe a direção, o comando da SEMA, da Escola Ambiental, da sociedade civil, representada pelo Fórum Estadual de Educação Ambiental, mas prevalece a criatividade dos jovens em cada município”, pontuou.

Israel Carlos, selecionado para o AJA no município de São José de Ribamar, se sente agradecido e ressalta a relevância de um programa como o AJA. “Agradeço por participar desse incrível projeto Agente Jovem Ambiental, pois é de suma importância para o Maranhão. Toda essa aproximação dos jovens em relação às políticas ambientais de preservação e conservação do meio ambiente é crucial para nosso estado”, disse.

Na ocasião, além do secretário Diego Rolim, estiveram presentes a secretária adjunta de Desenvolvimento Sustentável, Karla Genésio; a superintendente de Educação Ambiental, Stefanny Portela; o secretário adjunto da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Pedro Nascimento; a secretária de Estado Extraordinária da Juventude (Seejuv), Tatiana Pereira; a secretária adjunta da Secretaria de Governo do Estado do Maranhão (Segov) e coordenadora da Escola Ambiental, Criciele Muniz; o secretário de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima), Sérgio Delmiro; o deputado federal Bira do Pindaré; o defensor público-geral do Estado, Alberto Bastos; o vice-prefeito de São José de Ribamar, Júnior Lago; o vice-prefeito de Raposa, Marcio Greik; a prefeita de Paço do Lumiar, Paula Azevedo; o presidente do Fórum Estadual de Educação Ambiental, Sálvio Dino Junior; o diretor-geral do Detran-MA, Francisco Nagib; e demais autoridades.

Saiba mais sobre o AJA

O Programa Agente Jovem Ambiental (AJA) selecionou dois mil jovens, entre 16 e 21 anos, para atuação em projetos socioambientais sustentáveis, que cumprirão carga horária de 10 horas semanais. Para isso, os selecionados receberão um auxílio financeiro mensal no valor de R$ 250,00, durante 12 meses, podendo ser reajustado por decreto do Poder Executivo.

Entre as suas funções, os selecionados deverão mobilizar as populações do entorno dos respectivos espaços, ajudando na organização de eventos educativos, promovendo ações de educação ambiental junto à comunidade, de modo que contribuam com a recuperação de áreas degradadas, auxiliando a gestão pública nas ações de manejo das áreas verdes protegidas, buscando recuperar a vegetação ou acelerar seu crescimento para o restabelecimento de suas condições naturais.