5 dicas de como cuidar da pele diabética

Algumas doenças são capazes de afetar diretamente a qualidade da pele como, por exemplo, a diabete. Pessoas que vivem com essa condição, além de terem de se preocupar com o nível de insulina no organismo, também devem ter um cuidado redobrado com a pele. As queixas mais comuns são de feridas que demoram a cicatrizar, pele seca, alteração na coloração e coceira.

Marcia Xavier Santos, nutricionista e professora do curso de Estética e Cosmética da Faculdade Santa Marcelina, alerta que os diabéticos devem ter muito cuidado também com lesões nos pés, pois eles podem desenvolver o que é conhecido como “pé diabético”. “Isso envolve complicações, como úlceras, infecções e problemas de circulação, que podem afetar essa região”, explica.

Embora o risco de complicações na pele causadas pelo diabete seja alto, é possível preveni-lo com uma rotina de cuidados relativamente simples. Confira abaixo cinco dicas da especialista.

1- Hidratação adequada: beber bastante água para manter a pele hidratada, especialmente em climas quentes. A hidratação adequada ajuda a prevenir a pele seca e a evitar complicações.

2- Controle glicêmico: manter os níveis de glicose no sangue sob controle, pois isso ajuda a prevenir complicações cutâneas associadas à diabete. Dessa forma, é importante seguir o plano de tratamento recomendado pelo médico e monitorar regularmente os níveis de glicose.

3- Evitar coçar: o atrito pode levar a feridas e aumentar o risco de infecções. Para evitar, basta manter as unhas curtas e usar loções ou cremes calmantes para aliviar a coceira, se necessário.

4- Proteção solar: usar protetor solar regularmente para proteger a pele contra os danos causados pelos raios UV. A pele de pessoas com diabete pode ser mais sensível, e a proteção solar ajuda a prevenir problemas relacionados à exposição excessiva ao sol.

5- Limpeza suave: escolher produtos de limpeza suaves, e evitar água muito quente durante o banho, pois isso pode contribuir para a pele seca.

Sobre a Faculdade Santa Marcelina

A Faculdade Santa Marcelina é uma instituição mantida pela Associação Santa Marcelina – ASM, fundada em 1º de janeiro de 1915 como entidade filantrópica. Desde o início, os princípios de orientação, formação e educação da juventude foram os alicerces do trabalho das Irmãs Marcelinas. Em São Paulo, as unidades de ensino superior iniciaram seus trabalhos nos bairros de Perdizes, em 1929, e Itaquera, em 1999. Para os estudantes é oferecida toda a infraestrutura necessária para o desenvolvimento intelectual e social, formando profissionais em cursos de Graduação e Pós-Graduação (Lato Sensu). Na unidade Perdizes os cursos oferecidos são: Música, Licenciatura em Música, Artes Visuais, e Moda. Já na unidade Itaquera são oferecidas graduações em Psicologia, Administração, Ciências Contábeis, Enfermagem, Fisioterapia, Medicina, Nutrição, Tecnologia em Radiologia e Tecnologia em Estética e Cosmética. Além disso, há também a opção de cursos na modalidade de ensino a distância, que incluem Administração, Gestão Comercial, Gestão Hospitalar e Gestão de Recursos Humanos.