16ª Festança Junina no Ceprama homenageará Kátia Bogéa

Prévia junina mais esperada da cidade de São Luís do Maranhão, a 16ª Festança Junina no Ceprama abrirá oficialmente os festejos juninos de 2020, em São Luís, no dia 29 de maio, com entrada franqueada a toda a comunidade que aprecia as nossas manifestações culturais da temporada. O evento prossegue até o dia 31 de maio, sempre às 19h, no Ceprama, na Madre Deus, com muitas atrações.

Nesse ano, boieiros, brincantes, artistas, músicos e a organização da Festança Junina homenagearão a historiadora Kátia Bogéa, que foi servidora de carreira do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Maranhão (Iphan/MA) de 1980 a 2015, tendo atuado como superintendente de 2003 a 2015. De 2016 a 2019 presidiu o Iphan. Nesse período O Instiuto experimentou uma dinamização das ações voltadas para a preservação do patrimônio cultural brasileiro sem precedentes na história do órgão.

O coordenador do evento, Mário Jorge Gonçalves, destaca avanços realizados por Kátia Bogéa no Maranhão, ressaltando que a homenagem é um justo reconhecimento ao trabalho da historiadora Kátia Bogéa, responsável por viabilizar junto ao Governo Federal e parceiros a revitalização de bens culturais, como o novo Complexo da Praça Deodoro, Praça Pedro II, Palacete Gentil Braga, Palácio Cristo Rei, Fábrica santa Amélia, Rua Grande e Engenho Central de Pindaré Mirim, entre outros.

PESQUISA HISTÓRICA

Em seu vasto currículo como servidora do Iphan/MA, Kátia Bogéa constam a pesquisa histórica para a instrução dos processos de tombamento da Casa das Minas, Fortaleza de Santo Antônio, Fábrica Santa Amélia, imagem sacra de São Bonifácio, e do Engenho Central de São Pedro em Pindaré-Mirim, reconhecidos como patrimônio cultural do Brasil. A historiadora também integrou a equipe que realizou o Inventário Nacional de Bens Móveis e Integrados em 45 municípios maranhenses sobre arte sacra e arquitetura religiosa.

Em sua gestão como superintendente do Iphan no Maranhão, o Tambor de Crioula e o Complexo Cultural do Bumba-meu-boi do Maranhão tornaram-se Patrimônio Cultural do Brasil. Como presidente do Iphan, deu encaminhamento ao processo que tornou o Complexo Cultural do Bumba-meu-boi do Maranhão Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. O pedido foi entregue ao Iphan em 2012, porém o processo não havia sido aberto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.